A saída de Sérgio Moro do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública, em plena pandemia de coronavírus, ‘é triste’, afirmou o vereador de Campo Grande Chiquinho Telles (PSD).

“Triste pelo Brasil. Pessoas morrendo, implorando para viver, e a gente tem de lidar com isso. Quem sofre é o povo, que estaa com muita expectativa, principalmente no Sérgio Moro, reconhecimento mundialmente”.

Em sua avaliação, o momento é crítico, situação que começou com saída de Luiz Henrique Mandetta (DEM/MS) do Ministério da Saúde, e agora, Sérgio Moro, do Ministério de Justiça.

Em um discurso de quase 40 minutos, no qual anunciou a demissão, Sérgio Moro afirmou que soube da demissão do superintendente da PF (Polícia Federal), Maurício Valeixo, pela publicação do Diário Oficial da União desta sexta-feira, negando que autorizou sua assinatura, como está no ato.

Afirmou, ainda, que nem nos governos de Dilma Roussef (PT) e Lula (PT) houve tentativa de interferência em investigações. Segundo o ex-ministro, Bolsonaro quer no comando da Polícia Federal alguém que ele possa ligar e saber sobre andamento de apurações em andamento.