Política

Pavimentação do acesso a hospital de Dourados fica pronta em fevereiro, diz Murilo

As obras de pavimentação do acesso ao Hospital da Missão Evangélica Caiuás, em Dourados, devem ser concluídas em fevereiro de 2021. Ontem, quarta-feira (4), o governador em exercício de Mato Grosso do Sul, Murilo Zauith (DEM), visitou o canteiro de obras. “Com mais de 20% do serviço já concluído, o acesso (que tem início na […]

Adriel Mattos Publicado em 05/11/2020, às 07h12 - Atualizado às 10h48

Foto: Reprodução, Instagram
Foto: Reprodução, Instagram - Foto: Reprodução, Instagram

As obras de pavimentação do acesso ao Hospital da Missão Evangélica Caiuás, em Dourados, devem ser concluídas em fevereiro de 2021. Ontem, quarta-feira (4), o governador em exercício de Mato Grosso do Sul, Murilo Zauith (DEM), visitou o canteiro de obras.

“Com mais de 20% do serviço já concluído, o acesso (que tem início na Perimetral Norte) vai beneficiar também os moradores da aldeia Jaguapiru”, escreveu o governador em exercício.

Visitas

Desde segunda-feira (2), Murilo vistoria obras na região de Dourados. Nesse dia, ele esteve no canteiro de obras da MS-379, entre Laguna Carapã e Aral Moreira. “Faltam 10 quilômetros para concluirmos a obra, que prevê a implantação de 42 km de asfalto”, escreveu.

Na manhã de ontem, o governador em exercício verificou o andamento do asfaltamento da MS-162. Está sendo asfaltado um trecho de 6,6 quilômetros, entre o aeroporto Francisco de Matos Pereira e a BR-463. A previsão é que a obra seja concluída em junho de 2021.

Afastamento

Murilo assumiu o cargo na terça-feira, após o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) se licenciar. Nem Reinaldo nem a Subcom (Subsecretaria de Comunicação) detalharam os motivos do afastamento. 

No ofício encaminhado à Alems (Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul), ele se limitou a informar que poderia se ausentar do Estado e do País.

Durante evento de campanha em Dourados, Murilo disse ao Jornal Midiamax que iria assumir o governo para que o governador trate de “assuntos particulares”.

“O Reinaldo pediu afastamento e eu para assumir o governo, tenho que me desincompatibilizar da Seinfra [Secretaria de Estado de Infraestrutura]. Então eu me desincompatibilizo da Seinfra para assumir o governo no pedido de afastamento dele”. Perguntado sobre o motivo do pedido da licença, Murilo disse que é “para tratar de assuntos particulares dele”, e indagado pelo período que irá ficar afirmou só nesta semana.

Jornal Midiamax