Política

‘Tempo não há mais’, diz Salineiro de debates sobre aplicativos de transporte

Perto de ser apresentado em plenário na Câmara Municipal, o projeto que regulamenta os aplicativos de transporte em Campo Grande não será mais alvo de discussão ampla por falta de tempo para tal, segundo explicou nesta terça-feira (2) o vereador André Salineiro (PSDB). A questão deve ser colocada em votação na próxima semana. “Tempo não […]

Nyelder Rodrigues Publicado em 02/07/2019, às 20h18

Vereador André Salineiro (Izaias Medeiros, CMCG, Arquivo).
Vereador André Salineiro (Izaias Medeiros, CMCG, Arquivo). - Vereador André Salineiro (Izaias Medeiros, CMCG, Arquivo).

Perto de ser apresentado em plenário na Câmara Municipal, o projeto que regulamenta os aplicativos de transporte em Campo Grande não será mais alvo de discussão ampla por falta de tempo para tal, segundo explicou nesta terça-feira (2) o vereador André Salineiro (PSDB). A questão deve ser colocada em votação na próxima semana.

“Tempo não há mais”, explica o vereador, que é presidente da Comissão Permanente de Legislação Participativa e propositor do projeto. “Consenso nunca vai ter. E como vai ter muitas emendas, com certeza várias não serão atendidas”, opina Salineiro, ao final da audiência pública realizada hoje na Câmara.

Além disso, questionado sobre a confusão que muitos fazem entre as legislações federais e locais que regulam os serviços permissionários, como táxi, e os motoristas de aplicativos, Salineiro afirma que segue aberto para sugestões da população até a apresentação final do projeto de lei.

“A gente filtra, até por que recebemos uma demanda alta de todos os lados”, diz ele, que completa. “O que gostaríamos mesmo é que fosse uma luta para desburocratizar para todos, Uber e taxistas. A gente não aguenta mais tanto burocracia que impedem as pessoas de trabalhar e a população de usufruir dos serviços”, finaliza o vereador.

Leis são para organizar a sociedade

Durante a audiência realizada hoje, quem também se manifestou foi o vereador Eduardo Romero (Rede), que destacou as inúmeras demandas recebidas nesse tema e que não há como agradar a todos. “A função da lei não é agradar, é organizar a sociedade”.

Já Otávio Trad (PTB) usou sua fala para dizer que o impasse entre motoristas de aplicativo e taxistas não pode ser usado como palanque eleitoral, principal, por se estar perto de um pleito para vereadores, em outubro de 2020.

Além de Salineiro, Otávio e Romero, também participaram da audiência os vereadores Vinicius Siqueira (DEM) e Dharleng Campos (PP).

Jornal Midiamax