Política

Em vídeo, Bolsonaro apela para esfaqueador preso em MS ‘abrir a boca’

Em vídeo publicado nesta quarta-feira (31) em suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) apelou para que Adélio Bispo ‘abra a boca’ sobre o atentado cometido contra ele em setembro no ano passado para ajudar a identificar suposto mandante do crime. Considerado inimputável pela Justiça, Adélio permanece no Presídio Federal, em Campo Grande. Segundo seu […]

Danúbia Burema Publicado em 31/07/2019, às 17h01 - Atualizado em 01/08/2019, às 10h04

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em vídeo publicado nesta quarta-feira (31) em suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) apelou para que Adélio Bispo ‘abra a boca’ sobre o atentado cometido contra ele em setembro no ano passado para ajudar a identificar suposto mandante do crime.

Considerado inimputável pela Justiça, Adélio permanece no Presídio Federal, em Campo Grande. Segundo seu advogado, ele está em sofrimento psicológico e sem tomar remédios desde a prisão. 

“Outro acha que a facada do Adélio foi um maluco. Agora tem um maluco no meio dos hackers também”, criticou o presidente, mencionando a decisão judicial que absolveu o esfaqueador por julgar que ele é portador de transtorno delirante persistente. Bolsonaro afirmou não ter recorrido da decisão para Adélio não ir a julgamento por tentativa de homicídio e acabar obtendo pena menor.

“Se eu recorro ia ganhar com toda certeza”, apostou. “Como não recorri, agora ele é maluco até morrer. Vai ficar num manicômio judicial, uma prisão perpétua. Tô sabendo que ele tá aloprando já lá. Abre a boca pô. Ah mas não tem valor porque ele é maluco. Mas abre a boca. Quem sabe dê o fio da meada pra gente”, disse Bolsonaro. Na publicação, ele apela também a familiares de Adélio para o caso de saberem algo sobre o crime. Confira a íntegra do vídeo postado pelo presidente:

– A defesa do Adélio, que na verdade defende o mandante do crime, induziram-no a passar por maluco.- A pena agora é perpétua num manicômio judicial.- Se algum familiar, ou o próprio, quiser abrir o jogo comigo, estou à disposição.- Afinal, como o caso Celso Daniel, a história pode se repetir para o Adélio e seus comparsas.

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Quarta-feira, 31 de julho de 2019

Jornal Midiamax