Política

Apesar de votação ‘expressiva’ não garantir reeleição, Mara revela que deve integrar governo em 2019

Apesar de ter obtido mais votos do que 11 eleitos para a próxima legislatura da Assembleia Legislativa, a deputada estadual Mara Caseiro (PSDB) não foi reeleita em 2018, e revelou na última sessão deste ano que está articulando para fazer parte do Executivo em 2019. De acordo com a deputada, que se despediu da Assembleia […]

Ludyney Moura Publicado em 20/12/2018, às 12h53 - Atualizado em 17/07/2020, às 23h54

(Foto: Divulgação/Victor Chileno/ALMS)
(Foto: Divulgação/Victor Chileno/ALMS) - (Foto: Divulgação/Victor Chileno/ALMS)

Apesar de ter obtido mais votos do que 11 eleitos para a próxima legislatura da Assembleia Legislativa, a deputada estadual Mara Caseiro (PSDB) não foi reeleita em 2018, e revelou na última sessão deste ano que está articulando para fazer parte do Executivo em 2019.

De acordo com a deputada, que se despediu da Assembleia na sessão desta quinta-feira (20), a última de 2018, explicou que ainda está conversando com a gestão de Reinaldo Azambuja (PSDB) sobre qual cargo ocupará a partir do próximo ano.

“Está descartada a saúde (secretaria que deve ser ocupada pelo deputado federal tucano, Geraldo Resende). Onde estivermos, cumpriremos nossa missão com decência e a mesma determinação com que encerramos o mandato”, afirmou Mara.

Apesar de revelar que pode figurar na próxima gestão Azambuja, Mara não descartou a possibilidade de retornar à Assembleia em 2019, uma vez que ela é a 1ª suplente da coligação, PSDB/DEM.

Para que isso ocorra ela depende da saída de um dos cinco tucanos eleitos, Onevan de Matos, Paulo Corrêa, Felipe Orro, Professor Rinaldo e Marçal Filho, ou de um dos dois nomes do DEM reeleitos, Barbosinha e Zé Teixeira.

Jornal Midiamax