Reinaldo e Moka vão ao Ministério dos Transportes por retomada de obras da BR-163

União avalia acordo para obras seguirem
| 19/04/2017
- 15:03
Reinaldo e Moka vão ao Ministério dos Transportes por retomada de obras da BR-163

União avalia acordo para obras seguirem

Senador por Mato Grosso do Sul, Waldemir Moka (PMDB) anunciou nesta terça-feira (18) que agendou uma reunião com o Ministro dos Transportes Maurício Quintella para discutir a paralisação das obras de duplicação da pela CCRMS Via.

Participam do encontro na próxima terça-feira (25) o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o presidente da Assembleia Legislativa Junior Mochi (PMDB), além do presidente da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) Jorge Luiz Macedo Bastos.

O encontro será mediado pela União após o senador ter ido ao Ministério nesta terça e explicado os problemas causados pela paralisação da obra no Estado.

A CCRMS Via solicitou a revisão do contrato da obra à Agência na semana passada. Caso não tenha mudanças, a empresa, que assumiu a concessão em 2013, pode deixar o serviço.

“A rodovia foi, por muitos anos, considerada a estrada da morte, mas os investimentos trouxeram melhora significativa. É uma discussão que afeta o governo do Estado, mas a concessão é federal e temos que traçar um debate com a concessionária para trazer normalidade aos investimentos”, disse Reinaldo após a paralisação.

Uma das alegações da empresa para a paralisação, segundo Reinaldo, é a questão do licenciamento ambiental e atraso da análise do Ibama, desequilibrando o contrato.

Revisão

A paralisação da obra foi anunciada pelo presidente da empresa, Roberto de Barros Calixto, em entrevista coletiva. A solicitação ocorre poucos meses depois de a empresa receber autorização, em setembro do ano passado, para reajustar em pouco mais de 8% o valor do pedágio cobrado nas nove praças localizadas na BR-163. O pedágio começou a ser cobrado em 2015.

A CCR MS Via administra trecho de 847,2 quilômetros da BR-163, que cruza Mato Grosso do Sul de norte a sul. A concessão foi dada em 2013, pelo prazo de 30 anos.

Veja também

Procuradoria-Geral de Maracaju afirma que aguardam notificação judicial sobre a condenação de Rogério Bezerra, preso por homicídio

Últimas notícias