Líderes tucanos temem que o partido seja dizimado após divulgação de lista

Sigla não quer que ocorra o mesmo que o PT com a Lava Jato
| 13/04/2017
- 15:09
Líderes tucanos temem que o partido seja dizimado após divulgação de lista

Sigla não quer que ocorra o mesmo que o PT com a Lava Jato

Um dia após o início da divulgação dos dados da delação da Odebrecht, o reagia de forma descoordenada à grande quantidade de acusações sofrida pela sigla, segundo informações do Jornal Estado de São Paulo.

Com toda essa situação, de acordo com a publicação, até por não estar citado no caso, o prefeito paulistano, João Doria, é visto internamente como o grande beneficiário da confusão.

Nas palavras de um dirigente da sigla, “o partido está sendo dizimado [exterminado]” e seria preciso criar uma estratégia para evitar o mesmo destino do PT, que foi moído politicamente pela Lava Jato.

O mesmo tucano, que preferiu não se identificar, diz que “a gravidade joga a favor” de Doria na eventual postulação à Presidência em 2018.

A delação atingiu em maior ou menor grau toda a cúpula tucana. Alvo de cinco pedidos de inquéritos e em situação grave, o presidente da sigla, senador (MG).

Vários de seus escudeiros estão na lista do ministro de Edson Fachin com pedidos de abertura de inquérito. Um deles pondera que pode haver arquivamentos e, no longo prazo, até absolvições, mas o impacto político é irreversível no primeiro momento.

No Senado, onde 6 dos 11 parlamentares tucanos foram parar na lista, o clima era de velório. Não houve quórum para sessões de comissões na quarta (12) e a dispersão era evidente. Alguns senadores ficaram de se falar ao vivo após o feriado da Páscoa.

Também no que internamente o partido chama de “lista da morte” dos políticos mais enrolados, o senador José Serra (SP) igualmente buscou refúgio em sua base.

Em reuniões separadas, assessores buscavam informações mais precisas sobre o teor das acusações nas delações, um pesadelo logístico já que a imprensa teve acesso primeiro aos dados.

Tucanos próximos do senador, como o chanceler Aloysio Nunes Ferreira e o deputado Jutahy Jr. (BA), também estão na lista.

Já o governador Geraldo Alckmin (SP), que até aqui só sofreu uma acusação, mas que envolve um cunhado seu, tentou manter a normalidade com agenda no interior paulista. Em Cerquilho, disse que os delatores “é que devem explicar “o teor da denúncia contra si.

Após passar a noite de terça (11) em reuniões e consultas com assessores do governo e de fora dele, Alckmin buscou demonstrar bom humor à sua equipe ao longo do dia. Seu caso será decidido pelo Superior Tribunal de Justiça, onde tem foro.

Veja também

Evento têm a presença confirmada de Simone Tebet, Ciro Gomes, Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva

Últimas notícias