Política

Prefeito quer suplementar R$ 47,3 milhões, mas precisa de aval da Câmara

Do total, quase R$ 39 milhões são para saúde

Jessica Benitez Publicado em 10/11/2015, às 17h04

None
camara.jpg

Do total, quase R$ 39 milhões são para saúde

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), enviou projeto à Câmara Municipal pedindo suplementação de R$ 47,3 milhões. O texto foi lido durante sessão ordinária desta terça-feira (10), mas ainda não entrou em votação. Deste total R$ 825 mil são para própria Casa de Leis, segundo explicação “para atender indenizações e restituições”. À área da saúde ficam R$ quase 39 milhões.

Caso haja aprovação, outros R$ 470 mil serão destinados ao FMMA (Fundo Municipal de Meio Ambiente) para atender o PSA (Pagamento por Serviços Ambientais) e serviços de manejo de arborização urbana de Campo Grande. À Semad (Secretária Municipal de Administração) irão R$ 3,5 milhões para pagamentos de estagiários e serviços como água, energia elétrica, telefone e outras despesas referentes à manutenção da pasta.

Mais 400 mil servirão para atender obrigações tributárias e contributivas. O FMS (Fundo Municipal de Saúde) receberá grande parte da verba suplementada: R$ 38,9 milhões que serão utilizados para quitar débitos com a Santa Casa e Hospital do Câncer, bem como auxílio alimentação e material de consumo.

À pasta de Receita irão R$ 9 mil para pagamento do quadro de estagiários. Já R$ 2,7 milhões vão para Seplanfic (Secretaria de Planejamento e Finanças) para quitar dívidas com juros, encargos e amortização da dívida por contrato. A Semadur (Secretaria de Municipal de Meio Ambiente) serão R$ 25 mil também para remunerar os que cumprem estágio, a Sedesc (Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turístico, Ciência, Tecnologia e Agronegócio) fica com R$ 75 mil para o mesmo fim.  

Jornal Midiamax