Política

Com direito a ponto facultativo, prefeitos se reúnem para campanha

Intuito é conscientizar população sobre a crise

Jessica Benitez Publicado em 09/08/2015, às 14h23

None
assomasul.jpg

Intuito é conscientizar população sobre a crise

Amanhã ocorre na Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) o lançamento da campanha para conscientização da população acerca da crise econômica que atingiu os municípios de todo o Brasil. A expectativa do presidente da entidade, prefeito de Nova Alvorada do Sul Juvenal Neto, é que pelo menos 95% dos 79 gestores sul-mato-grossenses compareçam à reunião. 

O governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), e o prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP) já confirmaram presença, tanto que foi decretado ponto facultativo aos servidores municipais. Sendo assim, somente os serviços básicos da rede municipal funcionarão. A ideia é que todos os gestores presentes façam o mesmo em suas respectivas cidades, como forma de protesto à crise.

No evento será entregue carta à bancada federal pedindo para que haja pressão à presidente da República, Dilma Rousseff (PT), para o cumprimento do Pacto Federativo. Além disso, o objetivo é juntar todos para conscientizar a população da gravidade do problema.

Para divulgar o lançamento da campanha a Assomasul está divulgando o evento por meio de propaganda na televisão. No anúncio, há algumas informações sobre o repasse que a União faz aos municípios, deixando explícito que a culpa pela situação precária das administrações é do Governo Federal.

Na última quarta-feira em Brasília houve a ‘mobilização permanente’ promovida pela CNM (Confederação Nacional de Municípios) para pressionar a União no repasse de recursos.  A reivindicação foi acerca da liberação dos “restos a pagar” referentes a 2013/2014. “São quase R$ 35 bilhões, só no estado R$140 milhões que são tanto de emendas quanto de obras que foram iniciadas e não terminaram por falta de repasse de verba. A situação é muito delicada”, explicou Neto.

“Também tem a questão do FPM que o governo federal ficou de aumentar em 2015 e 2015, mas ainda não foi cumprido. A situação é tão complicada que se comparar maio e julho houve queda de 26%”, disse o tucano referindo-se ao Fundo de Participação dos Municípios destinado a Nova Alvorada do Sul.

Jornal Midiamax