Alcino Carneiro, prefeito interino de Alcinópolis, reafirma que a morte do filho dele, ex-presidente da Câmara, foi crime político. Em visita ao Midiamax, neste sábado (13), ele reclamou dos comentários sobre ter assumido a prefeitura.

“Eu não trocaria meu filho pela prefeitura de Alcinópolis. Eu só estou lá porque fiz compromisso com o povo”, disse o prefeito interino, Alcino Fernandes Carneiro, esta manhã em visita ao Midiamax. Segundo ele, a morte do ex-presidente da Câmara, Carlos Carneiro, filho de Alcino, teria ocorrido por interesses políticos.

Alcino Fernandes contou ainda que informações importantes já são de conhecimento da polícia e acredita que – apesar de o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul ter mandado soltar os vereadores, presos 23 dias atrás por suposto envolvimento no crime – o caso será desvendado com a devida punição.  

Ainda conforme o prefeito interino, em Alcinópolis os familiares dos vereadores que serão soltos estão em clima de festa e prometem organizar uma carreata para a próxima terça-feira (16) para comemorar a decisão.

Decisão

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul mandou soltar na sexta-feira (12) os três vereadores de Alcinópolis presos por suposto envolvimento no assassinato do ex-presidente da Câmara Municipal Carlos Carneiro, ocorrido em outubro de 2010. A decisão que mandou libertar os parlamentares foi confirmada por uma cunhada de um dos favorecidos com a medida, que é policial no município. Agora, entre os oito implicados no caso resta na prisão o prefeito da cidade, Manoel Nunes, do PR, e três homens que teriam agido como pistoleiros.

Os vereadores Valter Roniz Dias de Souza, Enio Queiroz, ambos do PR e Valdeci Lima, do PSDB, foram detidos no dia 20 do mês passado em Alcinópolis e trazidos para Campo Grande. A Polícia Civil trata o caso em sigilo, daí até agora não revelou nada sobre as investigações. Escutas telefônicas teriam motivado a prisão dos políticos.

Carlos Carneiro foi morto a tiros em frente a um hotel, situado na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande. No início das investigações, parentes da vítima informaram que era intenção dele em denunciar um esquema de desvio de recursos em Alcinópolis. Hoje, o município é administrado pelo vice-prefeito Alcino Carneiro, fundador da cidade, pai do vereador assassinado.