Política

Puccinelli e Zeca do PT investem no corpo-a-corpo em feiras livres dos bairros mais populosos da Capital

Candidatos ao governo cumprimentaram um a um dos feirantes do Guanandi e nas Moreninhas; Zeca promete alterar legislação tributária e Puccinelli disse já ter “acertado” os erros praticados pelo adversário

Arquivo Publicado em 11/07/2010, às 15h06

None

Candidatos ao governo cumprimentaram um a um dos feirantes do Guanandi e nas Moreninhas; Zeca promete alterar legislação tributária e Puccinelli disse já ter “acertado” os erros praticados pelo adversário

O candidato a reeleição André Puccinelli, do PMDB e o ex-governador José Orcírio dos Santos, o Zeca do PT, os dois principais concorrentes ao governo do Estado, escolheram as Feiras Livres nos dois bairros mais populosos para pedir votos nesta manhã de sol quente em Campo Grande. O candidato peemedebista visitou a feira do bairro Guanandi e o petista foi para o conjunto das Moreninhas.

Puccinelli recebeu abraços, tirou fotos com moradores do bairro Guanandi e apertou a mão de um a um dos feirantes. Zeca fez o mesmo no conjunto das Moreninhas.

Zeca do PT pregou em sua caminhada alteração na legislação tributária, medida que favoreceria de imediato principalmente os pequenos e microempresários. Ele disse ainda que, se vencer a eleição, deve mexer no ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) Garantido, norma que consiste no pagamento antecipado do imposto.

Ao saber que o adversário prometia no conjunto das Moreninhas a queda nos tributos estaduais, do outro lado da cidade, no bairro Guanandi, Puccinelli, assim se manifestou: “já acertei tudo o que eles [no caso, o governo de Zeca] erraram no passado, o que é feito hoje tem a aprovação dos empresários”.

O ex-governador seguiu para o conjunto Moreninhas, com sua vice, Tatiana Ujacow, o candidato ao Senado, o deputado federal Dagoberto Nogueira, do PDT, sigla aliada do PT, e Gilda Santos, mulher de Zeca, primeira suplente de Dagoberto.

Já no Guanandi, Puccinelli, pediu votos ao lado do deputado federal Waldemir Moka, candidato ao Senado, e da primeira dama de Campo Grande, Antonieta Trad, a primeira suplente de Moka. O prefeito da cidade, Nelsinho Trad, marido de Antonieta, não apareceu na investida eleitoral do governador.

Vote no Moka

André Puccinelli, sempre que apertava a mão dos feirantes ou dos moradores que por ali passava pedia votos para ele e para o candidato ao Senado, Moka. “Olha, temos dois candidatos ao Senado, esse aqui é um, o Moka. E esse sou eu, se achar que mereço, vote em mim”, dizia o governador ao entregar um santinho. O vice-governador Murilo Zauith, do DEM é o outro candidato da chapa de Puccinelli.

No meio do caminho, um morador disse a Puccinelli que havia sido cortado da lista dos beneficiados com o vale renda, projeto do governo que distribui R$ 130,00 às famílias carentes. “Vamos ver isso, fale com o pessoal do vale renda, será resolvido, será resolvido”, disse ele apressando para conversar com outro comerciante.

Zeca, Tatiana e Gilda

Já Zeca do PT, andou colado ao candidato ao Senado, Dagoberto Pereira. “Diga não ao autoritarismo, sim a democracia; não aos impostos e sim a criação de empregos, você em mim, vote no Dagoberto”, é o que repetia Zeca no conjunto das Moreninhas, ao entregar seu santinho aos feirantes e moradores. O senador Delcídio do Amaral, candidato à reeleição na chapa de Zeca, estaria em São Paulo para tratamento de saúde, daí sua ausência no conjunto das Moreinhas, informou a assessoria do PT.

Já a primeira suplente de Dagoberto, Gilda e a candidata a vice, Tatiana Ujacow, conversava com os outros moradores, enquanto Zeca pedia votos. Tatiana disse que os maiores problemas reclamados na região tem a ver com os programas sociais, um deles algum projeto de combate ao consumo de drogas.

Até o fim da manhã de hoje, tanto Puccinelli quanto Zeca, disseram que iam passar com a família o resto dia. Não havia nenhuma programação para campanha eleitoral.

Jornal Midiamax