Polícia / Trânsito

Enfermeira salva vítima de acidente, que sofreu infarto ao volante

A enfermeira Luciene Ferreira de 28 anos, além de testemunhar o acidente nesta terça-feira (4), na Rua Projetada, no Parque dos Poderes, realizou os primeiros atendimentos à vítima de 58 anos, que sofreu infarto ao volante. A enfermeira trabalha em um Centro de Educação Infantil (Ceinf), em frente ao local do acidente. De acordo com […]

Cleber Rabelo Publicado em 05/09/2018, às 16h48

Foto: Minamar Júnior
Foto: Minamar Júnior - Foto: Minamar Júnior

A enfermeira Luciene Ferreira de 28 anos, além de testemunhar o acidente nesta terça-feira (4), na Rua Projetada, no Parque dos Poderes, realizou os primeiros atendimentos à vítima de 58 anos, que sofreu infarto ao volante.

A enfermeira trabalha em um Centro de Educação Infantil (Ceinf), em frente ao local do acidente. De acordo com Luciene, o Honda Civic que a vítima conduzia subiu na calçada, derrubou uma placa de sinalização, andou cerca de 20 metros e só parou quando bateu em uma lixeira.  “Eu estava descansando dentro do meu carro quando escutei o barulho. Um rapaz que passava pelo local, me ajudou a retirar o motorista do carro. ”

A enfermeira conta que não detectou o pulso na vítima, ligou para o Corpo de Bombeiros mas não aguardou a chegada da equipe de socorro. “Realizei massagem cardíaca nele e só parei quando meus braços começaram a doer. Eu ensinei o rapaz que estava aqui a fazer a massagem e realizamos o procedimento por vinte e cinco minutos. Tempo que a viatura dos Bombeiros demorou para chegar”, relata Luciene.

O estado de saúde da vítima era grave. Os militares do Corpo de Bombeiros acionaram a Unidade de Suporte Avançado do Samu (USA), para iniciar os procedimentos médicos no local do acidente. O motorista foi encaminhado ao Proncor. A vítima segue internada em estado grave no Hospital e vai passar por cirurgia cardíaca, quando estabilizar o estado de saúde.

Luciene ressalta que se não tivesse realizado a massagem cardíaca, provavelmente a vítima não teria sobrevivido. “ Eu acabei me envolvendo na ocorrência. Aquele senhor lembra muito um tio meu. Eu acho que foi Deus que colocou a mim e aquele rapaz aqui, na hora certa ”, relata.

Jornal Midiamax