Ferros-velhos clandestinos são os principais alvos das operações que visam o combate ao comércio ilegal de fios de cobre em Campo Grande. Esses estabelecimentos são apontados como principais receptadores, segundo levantamento da Sesdes (Secretaria Especial de Segurança Pública e Defesa Social). Na quinta-feira (8), dois comerciantes foram autuados e presos por receptação. Durante a ação que levou à prisão dos suspeitos, foi apreendida cerca de meia tonelada do material.

A ação foi realiza três dias após um homem morrer carbonizado após invadir subestação de energia para furtar fios. A estimativa é de que cerca de 20 furtos tenham sido computados apenas em 2024.

Para reforçar o combate a essa prática, a Guarda Civil Metropolitina em parceria com fiscais da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), Vigilância Sanitária e com as Polícias Militar e Civil, devem reforçar as fiscalizações.

Na Guarda Civil Metropolitana, seis equipes de moto e outras de quatro de carro foram designadas às ações em toda a cidade e o trabalho será reforçado por regiões. Nesta semana, por exemplo, as ações foram intensificadas na região do Lagoa, como explica o secretário da Sesdes, Anderson Gonzaga.

“Intensificamos as ações. Destinamos guardas em todas as cidades e reforçamos áreas específicas. A casa semana iremos atuar fortemente em uma determinada região. Começamos com o Lago, onde autuamos e prendemos dois donos de ferros-velhos na quinta-feira”, afirma.

Além das esquipes de força de segurança, Semadur e Vigilância Sanitária, empresas de telefonia e da Energisa – concessionária responsável pela distribuição de Energia em Campo Grande – também participam das ações.

“As equipes de telefoni e de Energia participam porque são elas que fazem o reconhecimento do material. A maioria dos fios vendidos clandestinamente são de telefone e de luz
“, ressalta.

Na última ação, realizada ontem, o material apreendido totalizou 450 kg de cobre, além desse produtos, fios de alumínio também foram apreendidos. Os responsáveis foram multados e autuados em flagrante por receptação.

Operação Ferro-velho

A primeira fase da Operação Ferro-velho foi deflagrada no dia 1º de novembro de 2023. Na ocasião foram fiscalizados 4 estabelecimentos e apenas um funcionava de maneira regularizada. Os demais estavam sem alvará ou com alvará vencido.

Dias após a primeira operação, uma nova fiscalização foi realizada no dia 21 de novembro. Durante a ação, 4 pessoas foram presas e outras 36 empresas que faziam o comércio ilegal do produto foram notificadas.

Segundo levantamento realizado pela Sesdes (Secretaria Especial de Segurança Pública e Defesa Social), ao longo de 2023, 107 casos de furtos de fios de energia foram registrados em Campo Grande. Um dos principais motivos do furto de fios de cobre é a facilidade na venda do produto.

Multa e detenção

Uma lei aprovada em maio de 2022 exige comprovação de origem ou procedência na comercialização de cobre, alumínio e estanho em Campo Grande, apenas em outubro do ano passado, foi assinado o decreto para regulamentar as ações contra os furtos.

Conforme a regulamentação, o estabelecimento que comercializar o produto sem a comprovação da procedência ou origem, pode sofrer multa de R$ 10 mil, além da reclusão de 1 a 4 anos do responsável pelo estabelecimento e a cassação do alvará de atendimento do proprietário e sócio pelo período de 10 anos.

Foto: Divulgação GCM