As , de 11 e 3 anos, que foram torturadas e queimadas pelo ex-namorado da mãe em Sidrolândia, seguem em recuperação em . A mais velha, segundo a Civil, continua em coma na Santa Casa. Ela teve 80% do corpo queimado, traumatismo craniano, o braço direito amputado, assim como parte de uma das pernas e dedos.

Em entrevista coletiva, a delegada responsável pelo caso, Barbara Fachetti, informou que Lucas Cáceres Kempener, morto em confronto com policiais do Garras (Delegacia de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros) na manhã de quarta-feira (24), ateou fogo diretamente contra as meninas com auxílio de álcool. Na residência, inclusive, a garrafa com o produto foi localizada e apreendida.

Delegada de Sidrolândia Barbara Fachetti. (Nathalia Alcântara, Midiamax)

A criança mais nova saiu do coma e se recupera já com a família. Ela continua muito assustada.

As meninas foram encontradas desacordadas dentro da residência e socorridas por vizinhos. 

No dia do crime, o homem, considerado perigoso, entrou pela quarta vez na casa das vítimas através de um terreno baldio ao lado da residência. As crianças normalmente ficavam sob os cuidados de uma tia, porém neste dia ela não podia, então as meninas ficaram sozinhas para a mãe trabalhar.

O homem agrediu brutalmente as crianças que tiveram traumatismo craniano e ainda estuprou uma delas. Após ‘perder o controle’ da situação, ele ateou fogo no corpo das meninas diretamente, conforme mostrou o laudo da Perícia.

O autor era considerado perigoso e já havia ameaçado a mãe das meninas e as amigas dela. Ele também já havia sido preso em flagrante com uma de fogo.

O pai biológico das meninas mora em outra cidade e está na Capital prestando apoio às filhas e à ex.

Confronto

A equipe estava na cidade para cumprir um mandado de prisão contra Lucas Cáceres Kempener, quando ele reagiu e ocorreu o confronto. O homem foi abordado quando estava em uma oficina mecânica na Rua Aquidauana e efetuou disparos contra a polícia.

Ele foi socorrido após ser atingido, mas morreu.

Incêndio

A mãe das crianças estava no trabalho quando o fogo teve início na residência. Ela foi avisada pelos vizinhos e confirmou que havia deixado as crianças sozinhas para trabalhar, mas que os vizinhos sempre ficavam de ‘olho’. 

Uma vizinha que acionou o resgate disse ter visto um homem de aproximadamente 1,90 de altura, de short, camiseta branca e tênis, saindo do terreno da residência. Ele estava em uma motocicleta Honda, de cor vermelha, e teria dito que iria buscar ajuda e, em seguida, foi embora.

A mãe disse à polícia, na época, que suspeitava que o incêndio teria sido provocado por seu ex-cônjuge, que a ameaçou várias vezes após o fim do relacionamento. As crianças foram transferidas para a Santa Casa acompanhadas pela mãe. 

Saiba Mais