Enquanto a polícia mantém buscas para prender o Maníaco da Lanterna, como ficou conhecido o atirador das rodovias MS-164 e 384, o medo segue rondando a região e já causa pânico entre sitiantes. Na noite dessa quinta-feira (26), uma moradora alega ter visto o suspeito no quintal da sua casa.

Ela mora no Assentamento Nova Itamarati, em um sítio que fica nas proximidades do Trevo que dá acesso a Antônio João. A visita inesperada, segundo relato exclusivo da sitiante de 28 anos à reportagem do Jornal Midiamax, aconteceu por volta das 23h30. A Polícia Militar foi acionada para ir ao local.

“Fiquei muito assustada quando vi uma luz se movimentando em direção à minha casa, como se fosse alguém segurando uma lanterna. Ela foi se aproximando eu peguei meu filho corri pra dentro de casa. Em seguida ele alumiou em direção um dos quatros, depois na sala e também no rumo da cozinha”, relata a moradora.

Questionada sobre uma possível identificação do suspeito, a sitiante disse que ficou muito apavorada. A sobrinha dela, de 17 anos, diz que o homem estava de roupa preta. “Meu coração gelou de medo na hora. Essa pessoa que veio aqui era o Maníaco da Lanterna”, conta a sitiante.

“Foram momentos de terror porque estávamos só nós quatro na casa. Com a chegada da polícia, ficamos mais tranquilas. Mas depois que eles foram embora, nem eu, as crianças e nem minha sobrinha conseguimos dormir”, explica a sitiante, que tem dois filhos, o de 12 e outro de 4 anos, que é autista.

Quintal de propriedade que fica perto da rodovia (foto: Reprodução, leitor Midiamax)

O que diz a polícia

O Jornal Midiamax entrou em contato com delegado titular da Delegacia de Polícia de Antônio João, Clealdon Alves de Assis Júnior. Ele disse que a moradora ainda não registrou a ocorrência, mas que agiu corretamente em acionar a Polícia Militar.

“Já falei com o comandante do policiamento local e ele me relatou ocorrido. A equipe foi realmente acionada e fez uma varredura no sítio, mas não encontrou nenhum suspeito. Além disso, a moradora não conseguiu dar nenhuma característica dessa pessoa”, explicou o delegado titular de Antônio João.

Cleadon também ressaltou que toda informação sobre qualquer suspeito está sendo checada, desde que sejam feitas dentro dos procedimentos já orientados. “Estamos empenhados em encontrar essa pessoa que tem causado essa situação extremamente grave e preocupante. Uma coisa posso dizer: a atuação das forças policiais está se dando de maneira ininterrupta”, ressalta.

Segundo o titular da DP de Antônio João, as pessoas precisam tomar cuidado em relação a esses assuntos, uma vez que durante seus relatos, não conseguem de fato descrever de fato o que elas viram. Isso acaba ficando vago e, ao invés de ajudar, atrapalha.

“Temos que tomar cuidados com essa situação, porque se não daqui há pouco começam a surgir notícias que todo mundo está vendo o cara em todo lugar. O que não é verdade. E isso muitas vezes acontece de maneira inconsciente, um pensamento de manada. E qualquer fato luminoso passa a ser associado ao caso”, pondera o delegado.

Ele voltou a destacar ação conjunta das delegacias de Antônio João e também de Ponta Porã, que tem recebido apoio das demais forças, como a Polícia Militar, Defron (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira), DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e também a Guarda Municipal de Ponta Porã.

Saiba como foi o último ataque na MS-164

arma utilizada no ataque ao funcionário de uma fazenda nas proximidades do distrito de Nova Itamarati é de calibre 22. A confirmação foi feita pelo delegado titular da Delegacia de Antônio João, Clealdon Alves de Assis Junior. O Maníaco da Lanterna, como ficou conhecido o atirador que ataca pessoas em rodovias de Mato Grosso do Sul, ainda está sendo procurado pela polícia.

A informação preliminar já tinha sido divulgada pelo Jornal Midiamax em conversa exclusiva com a delegada titular da 1ª Delegacia de Polícia de Ponta Porã, Elisângela Ferreira Cristaldo, que também acompanha o caso Maníaco da Lanterna.

“Está confirmado que a arma usada no ataque de sábado é de calibre 22. Estamos aguardando os respectivos laudos periciais para que possamos estabelecer se um segundo calibre está sendo utilizado”, explicou Clealdon à reportagem do Jornal Midiamax.

Polícia do distrito foi acionada pela moradora (Foto: Reprodução, Midiamax)

Além de efetuar disparos contra o funcionário da Fazenda Santa Virgínia, que fica nas proximidades do distrito de Itamarati, na região de fronteira, o ‘atirador misterioso’ perseguiu a vítima por alguns quilômetros.

Mesmo com o rosto ferido a tiro, o morador do assentamento conseguiu chegar até um sítio e pedir ajuda. De lá ele foi levado para Ponta Porã e depois para o Hospital da Vida.

O tiro acertou a boca, atravessando a bochecha da vítima. O Maníaco da Lanterna também estaria em uma motocicleta e iniciou uma perseguição por um determinado trecho da MS-164.

A vítima disse ter visto uma luz no meio da pista, que não soube identificar ao certo se era uma lanterna ou celular que estava se aproximando. Em seguida, ela sentiu o tiro.

“Ferido, ele conseguiu ainda sair do local e fugir do autor, que estaria de moto e mesmo assim ainda tentou uma perseguição até um sítio onde a vítima foi socorrida. Aí ele não viu mais o atirador e nem a moto”, detalha a delegada da 1ª DP de Ponta Porã.