Ônibus escolar, da Secretaria Municipal de Educação de Cassilândia, está sendo usado para abrigar detentos que possuem risco de serem assassinados durante a rebelião que acontece no presídio da cidade nesta quarta-feira (22).

Conforme apurado pela reportagem, esses presos respondem por “crimes contra os costumes”, como estupros e pedofilia. Detentos que possuem bom comportamento também foram retirados do presídio e abrigados no ônibus.

De acordo com a (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), o ônibus está sendo usado para isolar os detentos da rebelião. Não há informações sobre o números de presos no ônibus e e nem se eles serão transferidos para a delegacia da cidade ou outro presídio na região.

Fumaça preta saiu do presídio durante toda tarde (Foto: Hermezes Cortes/Radio Patriarca)

A destruição no local ficou concentrada na área dos pavilhões, já que os policiais penais conseguiram manter a área administrativa e portaria preservados. O motim começou logo após o almoço, no solário do bloco C. A cantina e o bloco D também foram afetados. Os presos estão usando colchões para atear fogo na penitenciária.

Diversas equipes da Polícia Militar, Polícia Civil, Força Tática e Corpo de estão no local para auxiliar na situação. O Batalhão de Choque da Polícia Militar e o COPE (Comando de Operações Penitenciárias), da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) estão caminho de Cassilândia e devem chegar durante a noite.

Não há informações sobre pessoas feridas e não foi registrada nenhuma do presídio. Segundo o delegado Rodrigo de Freitas, em entrevista à Rádio Patriarca, o presídio está com boa parte destruída. Além do fogo, os presos usaram pedras para destruir o local. O motim começou por desavenças entre os detentos.

Saiba Mais