A Polícia Civil de confirmou, na manhã desta sexta-feira (4), que o Gabriel Paschoal Rossi foi morto por asfixia, causada provavelmente por um estrangulamento. A informação é do delegado do SIG (Setor de Investigações Gerais), Erasmo Cubas, que investiga o caso. O médico foi vítima de uma emboscada.

Segundo o delegado, o médico também apresentou uma lesão na parte anterior do pescoço. O corpo de Gabriel já estava em estado de decomposição quando foi encontrado pela polícia. Ele estava com as mãos e os pés amarrados com fios de cabo de televisão e também de aparelho celular.

Segundo as diligências da Polícia Civil, uma das linhas de investigação é de que o crime contra o médico Gabriel Paschoal Rossi, 29 anos, encontrado morto em uma casa de aluguel por temporada, na cidade de Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande, na manhã dessa quinta-feira (3), tenha sido passional. Detalhes sobre o possível motivo não foram revelados.

Gabriel também atendia na UPA e no da Vida (foto: reprodução, redes sociais)

O profissional havia saído de um plantão após receber ligação de uma mulher. Dias depois, foi encontrado morto com os pés amarrados.

Conforme o delegado Erasmo Cubas, da SIG (Seção de Investigações Gerais), da 2ª DP de Dourados, a vítima teria sido atraída para uma emboscada. “Ele compareceu lá a pedido de alguém, onde os fatos se desenrolaram”, disse.

A polícia trabalha com várias linhas, mas, segundo o delegado, a principal hipótese é de que o crime tenha motivação passional.

Apesar da família procurar pela vítima desde o último dia 27, a polícia foi informada do desaparecimento do médico só na quarta-feira (2), quando o boletim de ocorrência foi registrado. O corpo do médico será sepultado no Rio Grande do Sul.