Depois de passar por exames necroscópicos, o corpo do médico Gabriel Paschoal Rossi deverá ser levado para sepultamento em Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, onde a família dele reside. O translado já foi solicitado e deverá ser feito por meio de uma empresa gaúcha.

Santa Cruz do Sul, cidade onde Gabriel nasceu possui cerca de 130 mil habitantes e está distante 150 quilômetros de Porto Alegre e 1,2 mil quilômetros de Dourados, com 16 horas de viagem.

Antes do corpo ser levado para o RS, acontece uma homenagem de amigos e colegas de trabalho, que está marcada para as 19 horas desta sexta-feira (4) na Unidade I da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), rua João Rosa Góes, 1761. 

Gabriel foi encontrado morto em uma casa de aluguel por temporada, na cidade de Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande, na manhã desta quinta-feira (3), tenha sido passional. O corpo estava com as mãos e pés amarrados.

Oito dias depois, uma vizinha que mora nos fundos da casa foi quem acionou a polícia. A dona de casa disse que estava sentido cheiro forte na noite anterior e logo pela manhã ao passar pelo corredor viu moscas varejeiras na janela do banheiro.

Além disso, ela estranhou o carro parado em cima da calçada. Dentro do veículo HB-20, a perícia encontrou a carteira com documentos e também o jaleco com a identificação do médico no bolso.

Conforme o delegado Erasmo Cubas, da SIG (Seção de Investigações Gerais), da 2ª DP de Dourados, a vítima teria sido atraída para uma emboscada. “Ele compareceu lá a pedido de alguém, onde os fatos se desenrolaram”, disse.

A polícia trabalha com várias linhas de investigação, mas, segundo o delegado, a principal hipótese é de que o crime tenha motivação passional.