O pistoleiro de 22 anos, que ainda não teve o nome divulgado, morto em um confronto com Policiais Militares do 10 Batalhão, no Bairro Moreninhas, em , na manhã desta quinta-feira (29), é responsável por pelo menos 10 execuções na Capital.

Informações apuradas pela reportagem são de que a polícia já havia sido avisada de que o pistoleiro era procurado e poderia estar na região. Na manhã desta quinta, por volta das 6 horas, os militares avistaram e tentaram abordar o autor, mas ele passou a atirar contra os policiais, que revidaram.

O pistoleiro, então, tentou fugir se escondendo em uma casa na Rua Camaçari e ainda fez disparos contra os policiais. Ele acabou atingido e foi socorrido para uma unidade de saúde, mas não resistiu e morreu. 

Na casa, os policiais encontraram dois fuzis, pistolas 9mm, cocaína e maconha, além de várias munições. O autor seria responsável por execuções nos bairros Nova Lima, Jardim Centenário e Moreninhas. 

Ele seria o autor do assassinato de Renan de Camargo Candido, de 23 anos, na noite do dia 4 de março deste ano, no Jardim das Macaúbas, em Campo Grande. No corpo dele havia 16 marcas de tiros.

Testemunhas relataram na época que dois homens em uma motocicleta, de cor preta, passaram pelo local e atiraram contra a vítima, na Rua Fidelis Bucker.

Renan foi socorrido, mas chegou à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Universitário já sem vida. No local do crime, a polícia encontrou 18 estojos de munição, um cartucho e três projéteis de calibre 9 milímetros.

Ele também seria responsável pelo assassinato de Victor Mergareno Benvindo, de 18 anos, morto por uma dupla em uma motocicleta preta.