Morreu no início da noite desta quinta-feira (26), a vítima identificada como Gabriel Soriano da Silva, de 27 anos, que foi atingido por disparos de arma de fogo, horas antes, na frente da USF (Unidade de Saúde da Família) Jeferson Rodrigues de Souza – no Bairro Santa Emília, em Campo Grande. A esposa da vítima disse que o objetivo do autor era atingir o filho dela e de Gabriel, um menino de apenas 3 anos.

Conforme informações apuradas pelo Jornal Midiamax, a vítima não resistiu aos ferimentos e morreu na Santa Casa de Campo Grande, hospital para onde foi levada por uma equipe do Corpo de Bombeiros, pouco após ser baleado.

Nas redes sociais, amigos lamentam a morte de Gabriel. “Vá com Deus mano”, disse um amigo. “Descanse em paz”, escreveu um outro internauta em uma página nas redes sociais.

Assassinato

Gabriel morreu horas depois de ser atingido por três disparos de arma de fogo. Os tiros atingiram a região do tórax. Pouco antes, a mulher da vítima havia discutido com o ex-companheiro dela e a atual esposa dele, com quem havia se encontrado por acaso na unidade de saúde.

A discussão entre o trio teria começado após provocações entre eles, que discutiam, também, sobre a guarda da menina, de 9 anos, filha do suspeito e da mulher da vítima. Após o desentendimento dentro da unidade de saúde, o casal saiu e retornou logo em seguida, quando ocorreu o crime.

De acordo com o delegado Camilo Kettenhuber, da 6ª Delegacia de Polícia Civil, Gabriel foi baleado após uma discussão com o autor, que parou o carro ao lado do veículo onde Gabriel estava com o filho, de apenas 3 anos. O suspeito teria mostrado a arma para a vítima, os dois começaram a discutir, Gabriel desceu do carro e foi atingido pelos disparos.

Um dos tiros atingiu o vidro da porta traseira do veículo, onde a criança estava. A mulher da vítima disse que a intenção do autor era atingir o filho dela e de Gabriel. A polícia diz que o tiro que poderia ter atingido o menino parece ter sido acidental.

“É muito improvável. A minha experiência e o que pude verificar no trabalho feito com a Perícia Técnica mostra que não houve intenção de atirar onde a criança estava. Parece ter sido acidental. Um ser humano em sã consciência não iria atirar para matar uma criança. Foge de todos os valores. A dinâmica também mostra que não foi intencional”, afirma.

Após o crime, o autor fugiu em um veículo Logan. Viaturas do Batalhão de Choque, GCM (Guarda Civil Metropolitana), PM (Polícia Militar) foram ao local atender à ocorrência. A Polícia Civil e Perícia Técnica também estiveram no local. Até o momento, o autor não foi localizado. O caso é investigado pela 6ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande.

Matéria atualizada às 19h12 para acréscimo de informações.