“Foi covardia, uma tentativa de homicídio”, disse Lilian Mariano, mãe do motociclista atropelado por um motorista em uma Hilux, na Avenida Nelly Martins, em Campo Grande, na tarde da última terça-feira (3). O motociclista está internado em estado grave na Santa Casa. O autor do atropelamento foi indiciado por lesão corporal de natureza grave.

Lilian conversou com o Jornal Midiamax, em tom de revolta, sobre crime contra seu filho. Ela disse que o rapaz foi arrastado por cerca de 50 metros e que era impossível o motorista da Hilux não ter visto a vítima. “Uma camionete contra uma motocicleta. Uma covardia, o que aconteceu foi uma tentativa de homicídio”, disse Lilian.

Para ela, ‘tentaram amenizar para o condutor da Hilux’, já que pelas imagens parece ter sido intencional o atropelamento. “É muita cara de pau falar que não viu meu filho”, disse a mulher.

Sobre a tipificação do crime classificado pela Polícia Civil como lesão corporal de natureza grave, Lilian vai esperar que o caso seja encaminhado para o MPMS (Ministério Público Estadual), após o fim do inquérito, para solicitar a reclassificação para tentativa de homicídio.

Sobre o estado de saúde do filho, Lilian contou que os médicos começaram a retirada da sedação para que ele possa despertar, mas o rapaz ainda está na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e em estado grave. 

O crime revoltou a população, já que o rapaz teria sobrenome de família influente na cidade. 

Hilux usada pelo rapaz no dia do acidente – Foto: Nathalia Alcantara/Midiamax

Revolta da população

Com a postagem da matéria nas redes sociais do Midiamax com a informação de que o crime havia sido tipificado como lesão corporal, muitos leitores ficaram revoltados com o fato. 

Um dos leitores comentou: “Lesão corporal meu **, isso aí é tentativa de homicídio, divulga o nome do playboy aí que vocês vão ver o que é lesão corporal”. Outro comentário diz, “E senhora na justiça não dá nada pra ele n hoje em dia vivemos em um mundo sem lei aí vai da família neh da senhora que na justiça pra ele não dá nada”.

Outro comentário faz menção ao fato do rapaz ter sobrenome influente na sociedade: “Mais um que comete crime e será protegido pq tem dinheiro aff”. Outro fala da impunidade, “Infelizmente mais um que vai ficar impune por que o dinheiro compra a justiça filhinho de papai mimado acha que pode tudo pra ele a vida dos outros é lixo”.

Outro lado

O advogado de defesa do rapaz que estava dirigindo a Hilux, Júlio César Souza, disse ao Jornal Midiamax que o seu cliente estava levando a namorada em casa e que sempre faz o mesmo caminho. Ainda segundo Júlio, a camionete passou por perícia e não havia sinais de avarias que indicassem um acidente. O veículo já foi liberado.

Ainda segundo o advogado, o rapaz estaria entre 60 e 70 km/h e trocou de faixa para poder fazer uma conversão, não vendo o motociclista e nem sentindo impacto algum na camionete. “A família ficou assustada quando viram as imagens na mídia, e só aí perceberam o acidente”, disse o advogado. 

Tanto pai como filho prestaram depoimento na delegacia, sendo ouvidos e liberados em seguida.

Depoimento

Conforme o delegado Gabriel Desterro, plantonista da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, o rapaz se apresentou voluntariamente, após ser identificado pela polícia. Ele foi até a delegacia acompanhado de advogado.

Os policiais chegaram até o motorista após a caminhonete Hilux ser identificada, com as imagens das câmeras de segurança. O proprietário é pai do suspeito e revelou que quem dirigia a caminhonete era o filho.

Assim, com advogado, o rapaz foi ouvido, mas alegou que não sabia do acidente. Ele ainda disse que só soube do atropelamento na Depac, mesmo com a repercussão do caso na mídia e nas redes sociais.

Portanto, ele negou também que teria discutido com a vítima. Apesar disso, conforme o delegado, o vídeo mostra que a forma como o rapaz jogou a caminhonete demonstra intenção.

Vídeo do momento do atropelamento