Foi através de reportagens veiculadas sobre a prisão de José Carlos Santana que a adolescente de 14 anos reconheceu o Maníaco do Parque das Nações Indígenas. Ele foi indiciado pelos crimes de estupro, tentativa de estupro e importunação sexual. Pelo menos 7 mulheres foram atacadas por José, que foi preso no dia 3 deste mês, em uma operação. 

No dia 13 de setembro, por volta das 15h33, a mãe da adolescente pediu pela plataforma de aplicativo um motorista para a filha de uma loja, da região central da cidade até a sua casa, mas quando entrou no carro, a garota percebeu que o motorista olhava para ela de forma inconveniente. 

Ela relatou que durante o trajeto, o Maníaco do Parque das Nações a chamou para tomar uma café com ele, mas a garota negou e neste momento, ela com medo passou a mandar mensagens para a mãe, “mãe, eu acho que o motorista está dando em cima de mim.”.

A adolescente ainda fala, “perguntou se eu queria tomar café com ele, se eu namorava. Estou quase chorando.”, diz uma das mensagens da menina para a  mãe. Nas mensagens, ela ainda diz, “estou com medo e olhando o GPS para ver se está indo certo.”

A menina disse na delegacia que durante todo o percurso, o Maníaco do Parque das Nações insistiu para que ela fosse tomar café com ele, e ela disse que tinha de ir para casa e para a academia, quando José Carlos falou que ela não precisava de academia. O caso foi registrado como importunação sexual.

Uma outra vítima de 23 anos também procurou a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) quando sofreu assédio do Maníaco do Parque das Nações Indígenas. O caso da vítima aconteceu no dia 26 agosto por volta das 9 horas da manhã.

A jovem disse que estava em um mercado perto de sua casa e na saída percebeu que um homem a estava seguindo falando ao celular. Ela relatou que José a seguiu até a porta de sua casa, em um condomínio, e quando viu que a mulher iria entrar, disfarçou e voltou pelo mesmo caminho.

Ela contou que ele fingia falar ao celular e ficava falando palavras desrespeitosas à ela, “muito gostosa, nossa que delicia.’, entre outras palavras de baixo calão que o Jornal Midiamax não irá reproduzir. A vítima também o reconheceu por reportagens veiculadas sobre sua prisão.

Prisão do Maníaco do Parque das Nações Indígenas

Condenado por estuprar 10 mulheres em Campo Grande, após ser preso em 2007, José Carlos Santana, conhecido como ‘Maníaco do Parque das Nações Indígenas’, voltou cometer os mesmos crimes estuprando quatro mulheres.

Na sua captura feita pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), a delegada Elaine Benicasa disse que o ‘Maníaco do Parque das Nações Indígenas’ afirmou que não conseguia se ‘controlar’. Ele orava quando cometia os estupros.

Os estupros começaram no ano passado e segundo a delegada, ele não se preocupava em esconder o rosto e usava sempre as mesmas roupas para cometer os crimes – que era do lava a jato que tinha em Terenos.

Ao todo, foram quatro vítimas, mas Benicasa não descarta que o ‘Maníaco do Parque das Nações Indígenas’ tenha feito outras vítimas e pede para que quem reconhecer o autor faça a denúncia na delegacia. 

Os estupros eram cometidos sempre pela manhã, quando as mulheres saíam para trabalhar. As vítimas eram escolhidas de forma aleatória. Segundo a delegada, o autor se aproximava das mulheres que pareciam mais vulneráveis, e sempre disfarçando que estava falando ao celular.

Imagens de câmeras de segurança

Imagens de câmeras de segurança das ruas de Campo Grande mostram o ‘Maníaco do Parque das Nações Indígenas’ perseguindo mulheres pelas ruas. Ele tinha uma lava-jato em Terenos, a 97 quilômetros de onde foi preso, nessa segunda-feira (2), por equipes da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher). Ele também trabalhava como motorista de aplicativo e estava casado há pelo menos 1 ano e tinha uma filha.  

Em uma das imagens divulgadas pela polícia, é possível ver quando uma mulher está caminhando no dia 14 de setembro por volta das 5h50 da manhã e é seguida por José Carlos Santana, ‘Maníaco do Parque das Nações Indígenas’. Ele disfarça falando ao celular e a mulher acaba percebendo e entra em uma casa. Assim, José Carlos dá meia-volta e desiste de atacar a vítima.

Já outra imagem, o ‘Maníaco do Parque das Nações Indígenas’ segue uma mulher, que parece ser uma adolescente que está de mochila cor-de-rosa nas costas. Ela caminha pelas ruas de Campo Grande próximo a lojas sem saber que está sendo seguida por José.