A defesa do motorista de 25 anos que matou a namorada Angela Maria dos Santos Vieira, de 27 anos, em um acidente na noite do domingo de Dia das Mães (14), pediu pela liberdade do rapaz alegando que ele ‘não tinha intenção de matar’. Ele teria ‘furado’ o sinal vermelho e estava em alta velocidade.

Segundo a defesa, o motorista tem dois filhos, dos quais tem a guarda e os cuidados de forma unilateral, além de ter residência fixa, ser réu primário e ter bons antecedentes. Ainda segundo a defesa, ele não causaria problemas no decorrer do processo.

A defesa ainda alega que o motorista foi indiciado pelo crime culposo, sem a intenção de matar a esposa com quem mantinha relacionamento estável e tinha grande afeto. A defesa trata, no processo, o namorado como esposo. O pedido é para liberdade provisória sem pagamento de fiança com a fixação de medidas cautelares alternativas.

O acidente

O acidente aconteceu por volta das 22 horas entre um veículo Jetta e um Tracker. No Jetta estavam Angela no banco do passageiro dianteiro, o motorista de 25 anos e mais um passageiro no banco traseiro. Eles seguiam pela Avenida Mato Grosso, quando no cruzamento com a Rua Dr. Paulo Machado, o motorista teria avançado o sinal vermelho.

Ao passar no semáforo vermelho, o motorista acabou batendo na Tracker que era conduzida por uma mulher de 27 anos que acabou quebrando o braço com a colisão. 

Segundo informações policiais, após a batida, o Jetta foi lançado sobre o canteiro, subindo na calçada e batendo no muro de um estabelecimento comercial. Já o outro veículo rodou na pista e parou no meio da rua.

Equipes do Corpo de Bombeiros foram acionadas e tentaram a reanimação de Angela, mas ela não resistiu e morreu no local.

O motorista do Jetta apresentava sinais de embriaguez e se recusou a fazer o teste do bafômetro. No carro várias garrafas de cerveja foram encontradas. Ele confessou que estava em um bar junto dos passageiros desde as 17h30, quando resolveram à noite ir embora. Ele foi preso em flagrante.