Suspeitos dizem ser do PCC e ameaçam campo-grandenses pelo WhatsApp exigindo dinheiro

Ao menos duas vítimas procuraram a delegacia
| 26/01/2022
- 21:16
Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

Nesta quarta-feira (26), homem de 47 anos e mulher, de 30 anos, procuraram delegacias em Campo Grande para denunciarem casos de ameaça e extorsão pelo . Os número usado pelos criminosos são os mesmos, com DDDs da e Mato Grosso.

O empresário de 47 anos relatou na 5ª Delegacia de Polícia Civil que recebeu mensagens durante a madrugada do dia 24, dizendo para ele atender ao telefone. “Atende que é melhor para você”, ameaçava o suspeito. A vítima não atendeu, porque estava dormindo e só viu depois.

O homem ainda recebeu um vídeo de outro número, com dois homens usando balaclava, ameaçando e dizendo que ateariam fogo na lanchonete da vítima caso ela não atendesse. Na foto de perfil, os criminosos usavam um símbolo do PCC com o número 1533. As mensagens foram enviadas ao celular da lanchonete.

A vítima acabou ficando com receio, bem como funcionários. No entanto, a suspeita é que se trate de golpe. Uma mulher, de 30 anos, procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro e denunciou caso semelhante, com os mesmos telefones.

Segundo ela, o homem telefonou pelo WhatsApp, com o número de DDD 74, dizendo que ela devia R$ 10 mil a uma mulher, que tem um estabelecimento perto do salão da vítima. Assim, alegou que a suposta autora teria mandado matar a vítima.

A mulher alegou que não devia ninguém, mas o suspeito dizia que estava com carros perto da casa da vítima e que ela tinha que confirmar que não estava devendo. Ainda exigiu R$ 50 alegando que estava sem gasolina. A vítima alegou que estava sem dinheiro e não conseguiria transferir o valor.

Com isso, a mulher bloqueou o número, quando recebeu mensagens do telefone com DDD 65 e também um número de DDD 81. Ela recebeu uma foto com o rosto dela, com um X, e escrito PCC, além de dois homens com máscaras em um carro, dizendo que estavam armados e matariam a mulher. O caso foi registrado como extorsão.

Veja também

Últimas notícias