A fé em Deus e a conexão que sempre teve com o namorado foram base para que, nem por um momento, Erica Ferreira cogitasse que o companheiro estivesse morto, mesmo três dias após o jovem simplesmente sumir. Na manhã de 18 de novembro, dia em que pediria a técnica de enfermagem em casamento, o barbeiro Davidson Borges Valdez, de 32 anos, capotou o carro que dirigia em ribanceira às margens da BR-163, onde ficou por dias sem comer, beber e com ferimentos na costela, clavícula e cabeça. 

“Eu sabia que ele estava vivo, algo me falava. Quando eu orava sentia uma paz no coração e sei que Deus não falha com um filho aflito. Ele ouviu minhas orações, da mãe dele e de todos que estavam pedindo”, comenta. 

Erica lembra que conversou com Davi na noite de quinta-feira (17), um dia antes do acidente. Por chamada de vídeo, o casal falou sobre o quanto se amavam e sobre a saudade que um estava do outro. A essa altura, o barbeiro já sabia que no dia seguinte, levantaria bem cedo para ir até Naviraí pedir formalmente a mão da namorada. 

Juntos há sete meses, os dois moravam juntos em Campo Grande, mas decidiram ir embora para Naviraí. Depois de conseguir emprego, Erica se mudou primeiro e o namorado iria para a cidade no próximo mês. Por causa disso, pelo período de uma semana, os dois namoraram a distância.

Namorada no dia do acidente

“Na sexta-feira, às 6h10, ele me mandou bom dia e respondi às 7h, mas a mensagem já não chegava. Também liguei, mas não tocava”, conta. Preocupada, Erica ligou para a sogra que tentou acalmá-la. “Ela já sabia que ele faria a surpresa e disse que talvez estivesse dormindo”, lembra.

Carro em que jovem estava ficou destruído. (Foto: Fala Povo)

No entanto, com o passar das horas, toda a família começou a se preocupar. Às 12h, a mãe de Davi resolveu contar sobre a surpresa. “Deu 14h e ele não chegava, daí achei que alguma coisa estava errada e decidi procurar a polícia”, detalha. 

Nas horas seguintes, a família fez rondas na polícia, hospitais e delegacias de cidades próximas. Sem sucesso. “Foi um desespero, eu estava aflita e queria uma resposta”, pontua.

Já no domingo, amigos e parentes montaram equipe de buscas que percorreu toda extensão da BR-163, inclusive, no local onde o barbeiro estava. “Passamos em todos os buracos, mas no lugar onde ele estava não tinha mato quebrado, o carro estava muito longe e não vimos”, afirma.

Vivo após três dias

Somente na segunda-feira, mandado expedido pela Polícia Civil possibilitou acesso às imagens de câmeras de segurança da CCR MSVia, que desvendaram o mistério. “Foi uma mistura de sentimentos. Adrenalina junto com desespero, aflição, preocupação, ansiedade e muito acelero no coração”, explica. 

Assim, Davi teve traumatismo craniano e fraturas na costela e clavícula. Durante os dias em que esteve no matagal às margens da BR-163, Davi não comeu nem bebeu, e permaneceu inconsciente por todo o tempo. Por milagre, como classifica a família, sobreviveu e já recebeu alta médica após uma semana de internação. 

“Ele diz que não se lembra de nada. Nem sobre o período em que esteve lá, nem sobre o acidente. Ficou todo esse tempo lá, sozinho”, completa a namorada. 

Agora, com os dois já em casa, o casal quer viver a intensidade do relacionamento. O casamento deve sair em janeiro. “Esse é o melhor relacionamento que já tive na vida”, resume.

O caso

O que era para ser um fim de semana de felicidade foi de muita preocupação para uma família de Campo Grande. O jovem Davidson Borges Valdez se preparava para pedir a namorada em casamento, quando na viagem rumo a Naviraí sofreu um acidente. Ele passou o fim de semana preso às ferragens do veículo em uma ribanceira na BR-163.

As causas do acidente ainda são desconhecidas. O veículo, um Peugeot 206 preto, teria capotado, saído da pista e caído na ribanceira às margens da BR-163. O acidente aconteceu a poucos quilômetros do destino do jovem.