Por meio de monitoramento geográfico, agentes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do conseguiram localizar fazendas de cultivo de maconha para fornecimento aos narcotraficantes. Ao todo, foram destruídos 4.346 quilos da droga em propriedades rurais de Pedro Juan Caballero, na fronteira com .

Nos cinco centros produtivos instalados na Colônia Santa Clara, foram encontrados macacos hidráulicos, prensas rústicas e até geradores elétricos, para reforçar as atividades ilegais à noite. Segundo a Senad, parte da maconha já estava embalada para distribuição no Brasil.

As ações dos agentes especiais da Secretaria Nacional Antidrogas foram acompanhadas pelo promotor Celso Morales, cuja equipe do Ministério Público também trabalhou na implantação operacional da modalidade rural.