Irmãs fogem de casa, pedem ajuda em bar e revelam abusos cometidos pelo pai em Campo Grande

Pai das crianças negou crime e mãe foi orientada e levar irmãs na Depca para serem ouvidas por psicólogos
| 04/07/2022
- 09:41
Irmãs fogem de casa, pedem ajuda em bar e revelam abusos cometidos pelo pai em Campo Grande
(Henrique Arakaki, Midiamax)

Duas irmãs de 7 e 9 anos chegaram a um bar de Campo Grande, na região do Lagoa, pedindo por ajuda dizendo que haviam sido abusadas pelo pai. Uma testemunha contou que as crianças estavam desesperadas e chorando. O caso foi registrado na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).

Informações são de que as meninas chegaram ao bar depois da meia-noite chorando e pedindo por ajuda. Elas foram acolhidas por uma mulher que estava no estabelecimento comercial com amigos. A testemunha questionou o motivo para as meninas estarem desesperadas e uma das meninas contou ter sido abusada pelo pai. 

A testemunha, então, acionou a polícia. A das meninas que estava no bar puxou as filhas pelos braços e disse que as irmãs estavam fazendo birra porque queriam salgadinhos. Ela ainda relatou aos militares que nunca viu nenhuma atitude suspeita dos pais das meninas.

O Conselho Tutelar chegou a ser acionado, mas nenhum conselheiro foi até o local afirmando que não era atribuição fazer escuta especializada e que as meninas teriam que ser encaminhadas para a Depca (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente) para serem ouvidas por psicólogos. 

Todos foram levados para a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) e o negou o crime. A princípio, o caso foi registrado como importunação sexual.

Importunação sexual é crime

O crime de importunação sexual é caracterizado pela realização de ato libidinoso na presença de alguém e sem sua anuência. O caso mais comum é o assédio sofrido por mulheres em meios de transporte coletivo, como ônibus e metrô. Antes, isso era considerado apenas uma contravenção penal, com pena de multa. Agora, quem praticá-lo poderá pegar de 1 a 5 anos de prisão.

Veja também

Ele alegou que não conhecia as vítimas e nem tinha motivação

Últimas notícias