Polícia

Reduzida às cinzas: incêndio em casa de reza indígena de MS foi criminoso, denuncia cacique

Suspeito ainda não foi identificado, mas lideranças indígenas de Amambai acreditam que crime foi motivado por intolerância religiosa

Nathália Rabelo Publicado em 03/10/2021, às 14h42

Elizeu Guarani revela que incêndios em casas de rezas indígenas já aconteceram antes em MS
Elizeu Guarani revela que incêndios em casas de rezas indígenas já aconteceram antes em MS - Foto: Reprodução

O incêndio ocorrido na casa de reza da aldeia Guarani Kaiowá, em Amambai, no sábado (2) foi criminoso, suspeita o líder indígena Elizeu Guarani. Ele esteve no local na manhã deste domingo (3) para verificar os estragos ocasionados pelas chamas. Segundo ele, a casa foi totalmente destruída e deverá ser reconstruída na região. Além disso, incêndio pode ter sido consequência de intolerância religiosa.

Ao Jornal Midiamax, o cacique disse estava chovendo muito na cidade ontem. As pessoas responsáveis por vigiar a casa de reza foram se recolher, momento em que o suspeito foi até o local para atear fogo no espaço.

Até o momento, o responsável pelo incêndio não foi identificado, mas líderes indígenas da região suspeitam que o crime tenha sido motivado por intolerância religiosa. Elizeu também faz um apelo afirmando que não é a primeira vez que a situação acontece. “Em todos os lugares estão sendo queimadas essas nossas casas de reza e para nós é uma casa sagrada”, lamenta.

Entenda o caso

Uma casa de reza do povo Guarani Kaiowá na Aldeia Guapo’y, em Amambai (MS), foi incendiada e totalmente destruída na madrugada de sábado (2). A denúncia é da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), que afirma que o incêndio no espaço sagrado dos indígenas foi uma ação criminosa.

“Estamos tristes porque é nosso templo sagrado. Com muito sacrifício erguemos e agora num piscar de olho foi queimado”, afirmou Elizeu Guarani, coordenador executivo da Apib e da Assembleia Geral do povo Kaiowá e Guarani (Atyguasu).

“Venho aqui desabafar porque todos nós empenhamos para levantar essa construção da nossa casa sagrada, enquanto que muitos criticam e não nós ajudaram a levantar, desde então ela vinha sofrendo ameaças por pessoas que não apoiam a cultura tradicional”, completou.

Jornal Midiamax