Polícia

Redes são apreendidas no Rio Paraguai e peixes são soltos e restante doados

Policiais ambientais soltaram peixes vivos e doaram outros

Diego Alves Publicado em 14/09/2021, às 22h10

Divulgação, PMA
Divulgação, PMA

A PMA (Polícia Militar Ambiental) de Porto Murtinho, cidade a 439 quilômetros de Campo Grande, apreendeu 250 metros de redes e duas cordas de espinheis com 40 anzóis no Rio Paraguai. Policiais ambientais soltaram peixes vivos e doaram os peixes que não estavam mais vivos, para asilo.

Equipes da PMA estão trabalhando no monitoramento de cardumes nos rios Paraguai e Apa durante a operação Hot Point e desde ontem (13) uma equipe acompanha um cardume no rio Paraguai. Durante o trabalho, na região fronteiriça, a equipe abordou 17 embarcações em atividade de pesca amadora e profissional, bem como pescadores que praticavam a pesca no barranco do rio, em um total de 61 pessoas fiscalizadas, que pescavam legalmente.

Segundo a polícia, agentes que trabalham no rio Paraguai retiraram e apreenderam entre ontem e hoje (14), duas redes de pesca, medindo 250 metros e duas cordas de espinhel, com um total de 40 anzóis (petrechos ilegais). Durante a retirada das redes foram soltos alguns exemplares de peixes de grande porte que estavam vivos nos petrechos ilegais e dois da espécie cachara e jaú, que tinham acabado de morrer e estavam em condições de consumo, foram recolhidos e doados para o asilo da cidade. Os proprietários dos petrechos ilegais não foram identificados.

A área de fronteira trata-se de uma região sensível, tendo em vista que, além de pescadores brasileiros, pessoas do país vizinho também praticam a pesca na região e, devido a facilidade de fuga pelo território paraguaio, a fiscalização precisa ser constante. Cumprindo um dos objetivos primários da operação Hot Point que é a proteção dos recursos pesqueiros, a retirada de petrechos ilegais dos rios é fundamental.

Jornal Midiamax