Polícia

Polícia incinera 246 quilos de cocaína apreendidos em helicóptero que explodiu na fronteira de MS

Droga foi avaliada em R$ 6 milhões

Danielle Errobidarte Publicado em 22/10/2021, às 17h32

None
(Foto: Reprodução/ Polícia Civil)

A Polícia Civil incinerou, nesta sexta-feira (22), os 246 quilos de cloridrato de cocaína apreendidos após a queda do helicóptero Robinson R66 Turbine prefixo PR ITT - com valor estimado de R$ 4,5 milhões. A aeronave explodiu e matou Pedro Augusto Boim, de 24 anos, e Matheus Henrique dos Santos Venâncio, de 20, na última quarta-feira (20).

A incineração foi feita por policiais da 1ª Delegacia de Polícia de Ponta Porã e seguiu as regras impostas pela Lei 11.343/2006, a Lei de Drogas, e foi fiscalizada pelos órgãos competentes. A quantidade de cocaína incinerada em Ponta Porã nos últimos 90 dias já ultrapassa os 560 quilos.

R$ 6 milhões em cocaína

Os 246 quilos de cloridrato de cocaína, apreendidos no helicóptero que explodiu nesta quarta-feira (20), foram avaliados em R$ 6.150.000. A aeronave — o helicóptero Robinson R66 Turbine prefixo PR ITT — tem valor estimado de R$ 4.500.000. 

A queda ocorreu por volta das 9h, em uma fazenda localizada entre Dourados e Ponta Porã, e a aeronave foi localizada por funcionários que faziam a pulverização de produtos químicos.

A fazenda é um dos locais de produção e estocagem de sementes de uma empresa que atua no Estado e no Mato Grosso. O local onde o helicóptero foi encontrado fica a cerca de 50 quilômetros da sede. Durante patrulhamento, policiais do BPMChoque (Batalhão de Choque da Polícia Militar) se depararam com o helicóptero e fizeram a primeira intervenção.

Helicóptero fez parte de espólio de Mazzaropi

A aeronave já pertenceu à família do ator e cineasta brasileiro Amácio Mazzaropi, e foi vendido em julho deste ano. Há uma semana, na última quinta-feira (14), a documentação de venda foi protocolada na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). 

Conforme apurado pelo Jornal Midiamax, a negociação foi feita no dia 27 de julho com uma construtora com sede em Parauna, interior de Goiás. A empresa informou que a venda da aeronave foi comunicada à Anac há cerca de uma semana, no dia 11 deste mês. A documentação de transferência foi feita no dia 14 de outubro.

A SPE 8 MZ Negócios Imobiliários, empresa que administra o espólio de Mazzaropi, informou em nota que a empresa não tem relação com o atual dono do helicóptero. "Deixamos expressamente consignado que nossa empresa — assim como qualquer empresa ou pessoa participante do nosso grupo — não possui qualquer relação com o atual dono da aeronave, nem com o uso da mesma após a venda", diz a nota.

Corpos identificados

As duas vítimas, que morreram carbonizadas após a queda, foram identificadas como Matheus Henrique dos Santos Venâncio, de 20 anos, e Pedro Augusto Boim, de 24 anos, moradores de Rancharia, no interior paulista. Os corpos foram identificados nesta manhã pelas mães deles no IML (Instituto Médico Legal) de Ponta Porã. As mulheres vieram do interior paulista e muito abaladas reconheceram os filhos. Elas estão sendo ouvidas na Polícia Civil.

Jornal Midiamax