Polícia

Helicóptero com cocaína que caiu e matou dois carbonizados foi achado por funcionários de fazenda em MS

Secretário de segurança de Ponta Porã acredita em 'acidente' e que fazenda não era destino final

Danielle Errobidarte Publicado em 20/10/2021, às 15h52

None
(Foto: Divulgação/ BPMChoque)

O helicóptero carregado com cocaína que explodiu e deixou dois corpos carbonizados em uma fazenda de Ponta Porã, cidade a 346 quilômetros da Capital, foi localizado por funcionários da propriedade que faziam pulverização de produtos químicos, na manhã desta quarta-feira (20). Ao lado da aeronave foram encontrados tabletes de cocaína.

A fazenda é um dos locais de produção e estocagem de sementes de uma empresa que atua no Estado e no Mato Grosso. O local onde o helicóptero foi encontrado fica a cerca de 50 quilômetros da sede. Durante patrulhamento, policiais do BPMChoque (Batalhão de Choque da Polícia Militar) se depararam com o helicóptero e fizeram a primeira intervenção.

Segundo o secretário de segurança pública de Ponta Porã, Marcelino Nunes de Oliveira, os funcionários encontraram a aeronave já totalmente carbonizada e dois corpos ao redor. "De imediato eles nos avisaram por meio do 153, da GCM-Fron (Guarda Civil Metropolitana da Fronteira), e contatamos outras forças de segurança", relatou.

O secretário ainda afirmou acreditar em acidente, não sendo a fazenda o ponto de chegada da aeronave. "Nos deslocamos para lá para fazer a contenção até que as outras forças pudessem chegar. Mas já estavam na fazenda policiais rodoviários e federais. Acredito que o helicóptero não pousaria ali, e que tenha sido um acidente ou algo parecido", finalizou Nunes.

Policiais do Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) e da Polícia Civil de Ponta Porã, além da Perícia, estão no local para fazer a retirada dos corpos, que serão encaminhados ao IML (Instituto Médico Legal) de Ponta Porã. A droga, encontrada em tabletes, também passará por pesagem e análise, mas ainda não há identificação dos corpos e nem a quantidade de entorpecente.

Jornal Midiamax