Polícia

Polícia identifica 3 dos 4 pistoleiros que atiraram em grupo em frente de casa nas Moreninhas

Com as investigações avançadas, a Polícia Civil já identificou três dos quatro homens que teriam atirado contra um grupo que estava sentado na frente de uma casa no bairro Moreninha, em Campo Grande, na madrugada do primeiro dia do ano. Ainda, de acordo com as informações levantadas, a polícia investiga se o atentado tem ligação […]

Dayene Paz Publicado em 06/01/2021, às 10h48 - Atualizado às 15h53

Caso foi registrado na delegacia das Moreninhas (Foto: Divulgação)
Caso foi registrado na delegacia das Moreninhas (Foto: Divulgação) - Caso foi registrado na delegacia das Moreninhas (Foto: Divulgação)

Com as investigações avançadas, a Polícia Civil já identificou três dos quatro homens que teriam atirado contra um grupo que estava sentado na frente de uma casa no bairro Moreninha, em Campo Grande, na madrugada do primeiro dia do ano. Ainda, de acordo com as informações levantadas, a polícia investiga se o atentado tem ligação com o assassinato de Lucas de Moraes Charão, de 24 anos, em novembro do ano passado.

O delegado João Reis Belo, da 4ª Delegacia de Polícia Civil, não adiantou detalhes do caso, para não atrapalhar o andamento das investigações, mas confirmou que estão adiantadas. “É uma investigação complexa, com envolvimento de muitas vítimas, por isso continuamos com as oitivas durante toda a semana”, explicou Reis Belo.

Polícia identifica 3 dos 4 pistoleiros que atiraram em grupo em frente de casa nas Moreninhas
Lucas foi assassinado com cinco tiros. Imagem: Reprodução / Facebook

Um dos baleados, Odilon Rodrigues da Silva Mareco, de 19 anos, morreu na manhã do último sábado (02) na Santa Casa. Ele foi o caso mais grave, pois foi atingido no tórax e as outras vítimas na região da perna. Odilon é irmão de uma das vítimas que sobreviveram, um rapaz de 20 anos. Os dois já tem passagens pela polícia.

O atentado a tiros pode ter ligação com o outro crime no mesmo bairro: o assassinato de Lucas de Moraes Charão, que tinha várias passagens criminais, entre elas por homicídio. Na época dos fatos, a polícia já investigava se o assassinato de Lucas estava relacionado com uma de suas passagens.

Baleados por pistoleiros

Odilon estava sentado em frente a uma residência, localizada na rua Mururé, bairro Moreninha, com o irmão e outros dois homens, de 19 e 24 anos, quando um veículo Gol G5 parou em frente à casa. O carro era ocupado por quatro homens, que abaixaram o vidro, sacaram várias armas e passaram a atirar contra as vítimas.

Ainda, de acordo com as informações, cerca de três horas após o crime, o veículo Gol G5 foi encontrado batido em um poste em uma estrada vicinal que liga a saída de São Paulo – Avenida Gury Marques -, com o macro anel rodoviário. Dentro do carro haviam cápsulas deflagradas. Foram recolhidas pela perícia cápsulas de 9mm e munições intactas calibre .38.

Assassinato de Lucas Charão

A polícia também apura se o atentado contra o grupo tem ligação com o assassinato de Lucas Moraes Charão. O rapaz foi morto com vários tiros enquanto estava na varanda de uma casa na Rua Araticum, também nas Moreninhas. Na data dos fatos, uma amiga de Lucas contou que estava bebendo com ele, quando um homem teria chegado com o irmão e, armado, invadiu a casa. O indivíduo atirou várias vezes e chegou a dizer para a testemunha que não era ‘nada com ela’.

Lucas Charão tem extensa ficha criminal. Conforme apurado pela reportagem, o rapaz acumula ao menos 13 passagens desde quando era adolescente, inclusive por envolvimento com homicídios. As passagens são por tentativa de homicídio, homicídio, coação no curso do processo, roubo, receptação e porte de arma. De acordo com o delegado João Reis, não é descartado que a morte dele esteja relacionada com alguma destas ocorrências.

Jornal Midiamax