Polícia

'Gerente' do roubo de aviões em hangar de MS é preso com brasileiros na Bolívia

O boliviano estava em um transporte público junto com outros dois brasileiros

Diego Alves Publicado em 20/10/2021, às 23h19

Três aeronaves foram levadas do hangar - (Reprodução)
Três aeronaves foram levadas do hangar - (Reprodução)

Boliviano identificado como Lázaro da Silva Ramires, apontado como o "gerente" do roubo de três aeronaves no aeroclube de Aquidauna, foi preso polícia boliviana em uma rodovia próximo a divisa entre Bolívia e Argentina.

Lázaro foi expulso da Bolívia com a informação do mandado de prisão expedido pelo Juiz da Vara Criminal de Aquidauna e foi entregue à Polícia Civil. O boliviano estava em um transporte público junto com outros dois brasileiros que não possuíam documentos de identidades.

Após serem expulsos, os brasileiros foram entregues à Polícia Federal, que por sua vez os entregaram à Polícia Civil.O DRACCO (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado), que investiga o caso, informa que busca identificar todos os envolvidos no crime, bem como a recuperação das aeronaves. Até o momento, 4 pessoas foram presas.

Ainda segundo a polícia, o crime é atribuída  a uma faccão criminosa que atua dentro e fora dos presídios. A suspeita é de que ao menos 18 pessoas participaram da ação.

Roubo dos aviões

Os criminosos invadiram o aeroclube por volta das 3 horas da madrugada do dia 6 de setembro. Inicialmente a polícia apurou que seriam 18 criminosos, que renderam o vigia e também os dois filhos dele. Os três foram amarrados com lacres, perto da grade do tanque de combustível.

Enquanto isso, os bandidos abasteceram as aeronaves e levaram os três aviões. Os criminosos estavam encapuzados, fortemente armados e usavam luvas descartáveis. Eles tinham sotaque espanhol, mas também havia brasileiros. Na fuga, os criminosos acabaram deixando para trás ferramentas. O hangar, onde estavam os aviões, não tem sistema reforçado de segurança.

Conforme a polícia, as aeronaves foram levadas para território estrangeiro. A suspeita inicial é de uso dos aviões para o tráfico de drogas. Um alerta nacional foi feito pela FAB (Força Aérea Brasileira) após o roubo dos aviões.

Jornal Midiamax