O criminalista de , José Roberto da Rosa atuará no caso do delegado Paulo Bilynskyj, 33 anos, baleado pela namorada, a modelo Priscila Delgado de Barrios, 27 anos, na manhã desta quarta-feira (20), em São Bernardo do Campo, na Grande .

A Polícia Civil de São Paulo classificou como suicídio a morte da modelo. O registro da ocorrência detalha a morte como “suicídio consumado” e ainda menciona a tentativa de homicídio que Priscila teria cometido ao atirar no policial.

José Roberto fará a defesa da família da modelo, que teria efetuado seis disparos de arma de fogo contra o delegado, após, supostamente, ter visto mensagens no celular dele. “A família não acredita em suicídio e vou buscar todos os meios necessários para descobrir a verdade desse caso”, afirmou o advogado.

O caso

O delegado disse que estava tomando banho quando a modelo teria visto mensagens no celular dele. Em seguida, ela teria entrado no banheiro com a arma e atirado em direção de Paulo, que saiu do apartamento em busca de socorro. Após, Priscila teria atirado em si mesma no peito, segundo o delegado. O policial foi atingido por três tiros, um deles na região do abdômen. Ele foi socorrido por moradores.

A modelo foi encontrada caída na sala do apartamento, ainda com vida. Ela foi socorrida, mas morreu no Green Line.

De acordo com a perícia, exame residuográfico apontou que Priscila possuía pólvora em suas mãos. Os peritos não retiraram material nas mãos do delegado para o exame, pois ele já estava em cirurgia no mesmo hospital para onde levaram Priscila. Até o momento, não há indícios de que o delegado teria disparado.