Polícia

Acusados de crimes de pistolagem na fronteira, pai e filho têm prisões mantidas

Wanderley Antunes Pinto, 69 anos, e Renan Antunes Pinto, 34 anos, detidos em outubro de 2019 pelo homicídio de José Anastásio Lemos Neto, na época com 73 anos, tiveram as prisões preventivas mantidas. Além deste, eles são acusados de outros homicídios na região de fronteira com o Paraguai e acusados de crimes de pistolagem. A […]

Renata Portela Publicado em 09/12/2020, às 09h44

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Imagem ilustrativa

Wanderley Antunes Pinto, 69 anos, e Renan Antunes Pinto, 34 anos, detidos em outubro de 2019 pelo homicídio de José Anastásio Lemos Neto, na época com 73 anos, tiveram as prisões preventivas mantidas. Além deste, eles são acusados de outros homicídios na região de fronteira com o Paraguai e acusados de crimes de pistolagem.

A decisão foi publicada no Diário da Justiça desta quarta-feira (9), e manteve a prisão dos réus. O processo tramita em sigilo, mas na época foi divulgada a prisão de pai e filho, pela morte de José. O crime aconteceu em 25 de outubro de 2018, em Bela Vista, e eles foram presos em outubro de 2019.

Eles também são acusados da morte de dois peões em 2009, em Porto Murtinho. O crime teria sido ordenado pelo patrão deles na época, após suspeita que os funcionários estariam furtando gado da propriedade rural.

Jornal Midiamax