Reconstituição confronta versão do delegado suspeito de matar boliviano em ambulância

Foi feita na noite desta segunda-feira (8), a reconstituição simulada do assassinato do boliviano Alfredo Rangel Weber morto dentro de uma ambulância, no dia 23 de fevereiro. A Corregedoria da Polícia Civil e a delegacia de Homicídios fizeram a simulação. O delegado da Deaji (Delegacia de Atendimento a Infância, Juventude e do Idoso) de Corumbá, […]
| 09/04/2019
- 14:49
Reconstituição confronta versão do delegado suspeito de matar boliviano em ambulância

Foi feita na noite desta segunda-feira (8), a reconstituição simulada do assassinato do boliviano Alfredo Rangel Weber morto dentro de uma ambulância, no dia 23 de fevereiro. A Corregedoria da Polícia Civil e a delegacia de Homicídios fizeram a simulação.

O delegado da Deaji (Delegacia de Atendimento a Infância, Juventude e do Idoso) de Corumbá, Fernando Araújo da Cruz Júnior seria o suspeito do assassinato, mas não teria participado da reprodução. Ele está preso em uma cela do (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros), em Campo Grande.

Testemunhas presenciais participaram da simulação para que todas as versões do caso fossem analisadas, e possa saber o momento exato em que Alfredo foi assassinado. Segundo o site Diário Corumbaense, um laudo deve apontar a veracidade dos fatos e como foi a execução do boliviano.

Prisão

Fernando foi preso no dia 29 de março, durante uma operação do Garras em Corumbá. Ele é suspeito de participação no assassinato do boliviano Alfredo Rangel Weber dentro de uma ambulância, no último dia 23 de fevereiro.

Alfredo teria sido sócio de Odacir Santos Correa, ex-barão do narcotráfico preso pela Polícia Federal na Operação Nevada, em 2003. Odacir, que atualmente cumpre pena de 14 anos por tráfico internacional de drogas, também seria ex-marido de Sílvia Aguilera, atual mulher do delegado e filha de Asis Aguilera Petzold.

No dia do assassinato, Alfredo teria encontrado Sílvia e cobrado uma dívida de seu ex-marido, Odacir. Ele teria ameaçado a mulher e o delegado teria intervindo e esfaqueado três vezes o boliviano. Fernando teria armado, ainda, emboscada para interceptar a ambulância que transportava Alfredo à Corumbá, após piora em seu estado de saúde.

Afastamento do cargo

O delegado foi afastado de suas funções no dia 4 de abril. A decisão foi da Corregedoria Geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, e pela decisão o delegado deverá entregar sua carteira funcional, suspensão de senhas para acesso a banco de dados da administração pública, além de sua arma também ser recolhida.

 

 

 

 

Veja também

Um homem de 39 anos foi atingido por uma facada nas costas na tarde deste...

Últimas notícias