Polícia

VÍDEO: leitor denuncia surgimento de cracolândia no bairro Marcos Roberto

Dependentes químicos são vistos como ameaça

Arlindo Florentino Publicado em 03/05/2016, às 15h40

None
20160503_112920.jpg

Dependentes químicos são vistos como ameaça

As imediações da antiga rodoviária na região central e as ruas da Vila Progresso são endereços certos para consumidores e traficantes de drogas, mas nos últimos tempos a região do Marcos Roberto têm convivido mais assiduamente com este problema. A situação fica mais grave pois o local tem sido citado em várias ocorrências policiais de casos de tentativas de homicídio.

Um advogado de 35 anos, que se mudou há dois meses para o bairro, com a mulher e um filho de um ano, afirma sentir-se constantemente ameaçado com a presença de consumidores de drogas nas proximidades de sua casa.

Segundo ele, a movimentação é constante. Além disso, no período de uma semana já foram roubadas duas lâmpadas que ficam no portão de entrada da residência. Há alguns dias houve tentativa de arrombamento do portão. Além da cerca elétrica e câmeras de segurança de alta de resolução, agora ele vai investir também na compra de sensores para evitar visitas indesejáveis.

As câmeras flagram a concentração e o vai e vem dos consumidores de drogas. Mas o que deixou o advogado mais preocupado foi atitude de um deles.

O homem aproxima-se tranquilamente do portão. Observa a câmera, senta-se e passa a consumir o entorpecente. “O fato que mais me preocupa é que ele porta-se como se fosse o morador da casa. Se algum visitante chegasse, poderia ser abordado tranquilamente e sabe-se lá oque poderia acontecer”, afirma o proprietário da residência. E neste dia, eu estava viajando e minha esposa estava sozinha com nosso filho. Ela monitorava tudo aqui de dentro, mas imagina a apreensão”, afirma.

Uma das reclamações é quanto a falta de um policiamento mais ostensivo, que segundo ele coibiria a presença dos desocupados na região.

“A gente liga pro pelotão da área e eles falam que virão mas não aparecem e no 190 fica tocsando uma musiquinha. Nos sentimos abandonados”, afirma.

Assista ao vídeo gravado pelo morador aqui:

Jornal Midiamax