Vítima faleceu nesta manhã na Santa Casa 

Um homem de 39 anos, identificado como José Pedro de Andrade, morreu depois de reagir a um assalto em um bar na noite desta segunda-feira (24), na Rua Rio Formoso, na Vila São Jorge da Lagoa. A vítima levou um tiro na cabeça, foi socorrida e encaminhada para a Santa Casa de Campo Grande, mas não resistiu a ferimento.

A proprietária do bar relatou a polícia que José era seu namorado e por isso estava no local, junto com uma testemunha, quando o autor chegou, por volta das 20h50, em uma motocicleta. O suspeito, de aparentemente 37 anos, sentou em uma das mesas e pediu uma cerveja.

Cerca de cinco minutos depois, o suspeito levantou, foi até a rua, colocou o capacete e funcionou a moto, mas em vez de ir embora voltou para o bar e com arma em punho anunciou o assalto. A dona do local relatou que ficou paralisada, mas ainda assim passou as moedas do caixa para o assaltante e viu o único cliente também passar seus pertences.

Foi neste momento em que José, que segundo a namorada estava sobre o efeito de bebidas alcoólicas, reagiu. Ele pariu para cima do bandido e os dois entraram em luta, indo para a calçada do bar.

Já do lado de fora, o suspeito efetuou dois disparos, um atingiu a cabeça da vítima e o segundo em uma parede do estabelecimento. Depois do crime, o homem fugiu na motocicleta e as vítimas acionaram o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para socorrer José.

Inicialmente, a vítima foi levada para o Hospital Regional e depois transferida para a Santa Casa de Campo Grande, onde deu entrada às 22h55. José Pedro ficou internado em estado grave até as 11 horas desta terça-feira (24), quando não resistiu ao ferimento. O corpo foi encaminhado para o IMOL (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) e segundo a assessoria da Santa Casa, a família autorizou a doação das córneas da vítima.

A Polícia Civil e a perícia estiveram no local do crime e encontraram o projétil da bala que atingiu a parede em um chão próximo ao freezer. A proprietária ainda contou que ‘toca’ o bar há 20 dias, mas mora na região há 23 anos e nunca havia visto o suspeito.

O caso foi registrado como roubo, se da violência resulta morte, na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga e será investigado pela Polícia Civil.