Polícia

Ex-policial militar é acusado de participar de triplo homicídio no Bairro Santa Luzia

O ex- policial militar Cláudio José Andrade dos Santos, de 55 anos, foi apresentado nesta sexta-feira (20) como um dos autores da morte de três homens no Bairro Santa Luzia, em Campo Grande, no dia 18 de novembro. Ele estava acompanhado por um comparsa, morador em uma cidade do interior de São Paulo, que não […]

Arquivo Publicado em 20/12/2013, às 18h40

None
144368242.jpg

O ex- policial militar Cláudio José Andrade dos Santos, de 55 anos, foi apresentado nesta sexta-feira (20) como um dos autores da morte de três homens no Bairro Santa Luzia, em Campo Grande, no dia 18 de novembro. Ele estava acompanhado por um comparsa, morador em uma cidade do interior de São Paulo, que não teve a identidade divulgada.

A polícia chegou até Cláudio depois de uma intensa investigação, que começou a partir de algumas letras e números da placa do carro visto na cena do crime. Após muitas combinações, chegou-se a um Palio, com placa da cidade de Maringá, no Paraná. O carro foi negociado para várias pessoas, até ficar com o acusado, que inclusive, o teria revendido para o antigo dono na tentativa de despistar.

As vítimas do homicídio são Edgard José Duarte, de 38 anos, Maurício Martins da Silva, 31 e José Carlos Duarte, de 26 anos. A  informação era de que se tratava de latrocínio (roubo seguido de morte), mas com a prisão do acusado, a versão foi alterada.

Cláudio, que foi expulso da Polícia Militar de MS por tráfico de drogas, disse que teria discutido com Edgard cinco dias antes do crime e que teria prometido vingança, para isso chamou o comparsa que o ajudou na abordagem das vítimas.

No dia do crime, como Edgard não se encontrava fora da casa, foi simulado o roubo, com José ficando sob a mira de um revólver, até que o alvo deixou o imóvel e foi alvejado. Edgard teria tentado ajudar José e foi atingido juntamente com ele. O comparsa de Cláudio, que está foragido foi quem efetuou os primeiros disparos.

Maurício, que passava pelo local, teria dominado o atirador e nisto, Cláudio, que estava ao volante do carro desceu e efetuou novos disparos que atingiram Maurício e novamente Edgard.

Testemunhas afirmam que Cláudio, que tem várias passagens pela polícia inclusive uma por tentativa de homicídio contra um policial Rodoviário Federal, é bastante frio. “As testemunhas afirmam que ele desceu do carro andando e com muita calma efetuou os disparos e retornou também andando para o carro”, afirmou o delegado Fábio Peró, da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos- Derf.

Apesar da confissão de Cláudio, a polícia não está totalmente satisfeita e como Edgard tinha fama de ser agiota, não está descartada a possibilidade de o crime estar ligado a este fato.

Uma pistola Walther calibre 22 com silenciador e uma pistola Taurus 9 mm foram aprendidas. A calibre 22 foi encontrada dentro do carro utilizado no crime e a 9 mm havia sido jogada em um terreno baldio, em Campo Grande

O ex-policial Cláudio e o seu comparsa, ainda foragido, serão indiciados por homicídio qualificado por motivo fútil e que dificulta a defesa da vítima.

Jornal Midiamax