Dries van Agt, o primeiro-ministro da Holanda de 1977 a 1982, morreu por eutanásia, “de mãos dadas” juntamente com a sua esposa, Eugenie Krekelberg, segundo a organização de direitos humanos que fundou. Ambos tinham 93 anos. A eutanásia é um procedimento que induz à morte a pedido de pacientes que estão sofrendo e é permitida em alguns países.

A notícia foi divulgada na sexta-feira, 9, pelo Fórum dos Direitos, mas o casal morreu no dia 5 de fevereiro e foi enterrado em uma cerimônia privada na cidade de Nimegue.

Os dois vinham apresentando uma saúde frágil nos últimos anos. Em 2019, Van Agt sofreu uma hemorragia cerebral enquanto participava de um evento e nunca se recuperou completamente.

“Ele morreu de mãos dadas com sua amada esposa, Eugenie Krekelberg, o apoio e âncora com quem esteve junto por mais de 70 anos e a quem sempre continuou a se referir como ‘minha garota'”, disse a organização sem fins lucrativos. disse em um comunicado.

Democrata cristão de origem holandesa tradicional, Van Agt tornou-se cada vez mais progressista depois de sair da política, acabando por abandonar o seu partido em 2017 devido a diferenças ideológicas com a abordagem do Apelo Democrata Cristão.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, elogiou o ex-político. “Com a sua linguagem floreada e única, as suas convicções claras e a sua apresentação marcante, Dries van Agt deu cor e substância à política holandesa numa época de polarização e renovação partidária”, disse Rutte em um comunicado.

Histórico

Juntamente com o Partido Liberal de direita, o Apelo Democrata Cristão governou a Holanda com Van Agt como primeiro-ministro de 1977 a 1981. Após as eleições, tornou-se novamente primeiro-ministro, formando uma coligação com o Partido Trabalhista e os Democratas centristas.

Após uma a em 1999, ele tornou-se cada vez mais expressivo sobre o seu apoio ao povo palestino. Ele se referiu à experiência da viagem como uma “conversão”.

Em 2009, fundou o Fórum dos Direitos, que defende uma “política holandesa e europeia justa e sustentável em relação à questão Palestina/Israel”, de acordo com a organização sem fins lucrativos.