Rússia fecha espaço aéreo para 36 países, a maioria da Europa

A maioria das nações é da Europa, mas o Canadá também está na lista, veiculada pela agência estatal RIA
| 28/02/2022
- 16:18
Com a medida do governo russo
Com a medida do governo russo, combates aéreos devem se intensificar - Foto: Yuri Kadobnov/AFP

Autoridades da Rússia anunciaram nesta segunda-feira, 28, o fechamento do espaço aéreo para companhias aéreas de 36 países. A maioria das nações é da Europa, mas o Canadá também está na lista, veiculada pela agência estatal RIA.

A medida é publicada em momento de tensões entre Moscou e potências do Ocidente, por causa do ataque militar russo na Ucrânia.

A nota da agência oficial diz que a Agência Federal de Transporte Aéreo da Rússia adotou a medida como retaliação, após Estados europeus proibirem voos de companhias aéreas russas ou registradas no país.

Entre os países alvos da medida estão Bélgica, Reino Unido, Alemanha, Grécia, Espanha, Itália, Canadá, Holanda, Noruega, Polônia, Portugal, Romênia, França, Finlândia, Croácia, República Checa, Suécia e Estônia.

EUA informam suspensão de embaixada na capital de Belarus

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, informou nesta segunda-feira, 28, a suspensão das operações da Embaixada dos em Minsk, em Belarus, e a autorização da saída voluntária de funcionários não emergenciais e familiares da Embaixada em Moscou, na Rússia.

"Tomamos essas medidas devido a questões de segurança decorrentes do ataque não provocado e injustificado das forças militares russas na Ucrânia. O Departamento de Estado ajusta continuamente sua postura nas embaixadas e consulados em todo o mundo de acordo com sua missão, o ambiente de segurança local e a situação da saúde. Em última análise, não temos prioridade maior do que a segurança dos cidadãos americanos, e isso inclui nosso pessoal do governo dos Estados Unidos e seus dependentes servindo em todo o mundo", afirmou Blinken, em comunicado.

 

 

 

Veja também

Assessoria informou que as doações foram passadas para uma das instituições de caridade de Charles

Últimas notícias