O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghereyeses, disse que a entidade deve iniciar “o quanto antes” uma “avaliação independente” sobre a forma com que está lidando com a pandemia de .

“Todos nós temos lições a aprender da pandemia. Todos os países e todas as organizações devem examinar sua resposta ao coronavírus e aprender sua experiência. A OMS está comprometida com a transparência, prestação de contas e melhoramento contínuo”, disse.

Cerca de cem países estão apoiando a abertura de um inquérito sobre a origem da pandemia e pediram uma investigação “para identificar a fonte zoonótica do vírus e a via de introdução na população humana”. O texto não menciona a China, que já havia manifestado oposição ao inquérito.

O texto – assinado por países como Brasil, Rússia, Japão, Índia, e – também pede que todos os países tenham “acesso oportuno e sem impedimentos a diagnósticos, tratamentos, medicamentos e vacinas de qualidade, seguros, eficazes e acessíveis, além de tecnologias essenciais de saúde” para combater a covid-19. Além disso, pede ações para combater a desinformação que prejudica a resposta da saúde pública.

Já a União Europeia anunciou que seus Estados-membros estão trabalhando em uma resolução sobre o assunto que será apresentada amanhã (19) na assembleia da OMS. (Com agências internacionais)