O ataque cibernético da última semana ao Twitter expôs problemas de segurança que afetam há longo tempo a rede social, e começou com uma questão familiar aos usuários: “resetar” a senha. Os hackers foram capazes de mudar as senhas de 45 contas do Twitter sem que os titulares tomassem conhecimento, de acordo com a empresa e especialistas em segurança de tecnologia. O ataque de uma hora na última quarta-feira permitiu que os hackers assumissem o controle de contas de figuras proeminentes, como o candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Biden, e o executivo-chefe da Tesla, Elon Musk, para perpetrar um golpe associado a moeda virtual.

A mecânica relativamente comum do ataque coloca em destaque as dificuldades do Twitter com a questão de segurança, de acordo com especialistas. O incidente da última quarta-feira foi o terceiro de relevância a acontecer desde 2011, quando o Twitter entrou em entendimento com um órgão federal quanto à fragilidade de suas práticas de proteção.

Na última sexta-feira, a empresa disse que continua a investigar o incidente em cooperação com as autoridades policiais, e que está avaliando soluções de longo prazo para melhorar a sua segurança. Segundo o Twitter, 130 usuários, entre os quais alguns de elevado perfil, foram alvo dos hackers. “Estamos constrangidos, estamos decepcionados, e mais do que tudo, pedimos desculpas. Sabemos que precisamos trabalhar para reconquistar sua confiança, e apoiaremos todos esforços para levar os responsáveis pelos ataques à Justiça”, disse a rede social, em post em seu blog no sábado.