Jojo Todynho revelou que já iniciou os trâmites legais para adotar um menino que conheceu durante viagem recente à Luanda, na Angola. A funkeira relatou ter sentido uma conexão especial com a criança, mas “perdeu tudo” quando recebeu uma homenagem do garoto em uma escola que visitou.

Agora, Jojo quer descobrir se consegue a guarda do angolano. “O menino que veio me homenagear era o Francisco. Eu estava tão empolgada olhando para as crianças que eu não prestei atenção. Depois que o professor colocou ele de frente para mim, foi surreal. Eu olhei para ele e falei: esse menino é meu filho. O olho dele brilhava”, detalhou Jojo.

“Foi uma conexão diferente, não tem explicação. Eu perguntei: ‘qual é o seu nome?’. ‘Francisco’. E eu falei: e se eu quiser te levar embora?’. E ele: ‘eu vou embora com você’. Aquele menino lendo me bota no chinelo e muita gente”, contou.

A funkeira disse ainda que sua equipe está vendo se ela poderá ter a guarda de Francisco. “Aí agora, o José vai fazer o contato com a família para ver como vai ficar para ver se a gente consegue fazer um processo de adoção. Eu quero trazer ele para cá. Tem todo um trâmite. Eu vou rezar para que a família aceite para eu trazer ele para cá. Eu fiquei tão encantada com o Francisco”, explicou.

“Um olhar muda tudo na nossa vida. Eu só sabia chorar. Se tudo der certo, eu vou adotar o Francisco. Eu vou dar a ele uma oportunidade de uma educação melhor, uma vida melhor. Eu estou apaixonada por ele. Foi amor à primeira vista”, declarou.

Por fim, a funkeira diz que aguarda o processo. “Agora é orar, deixar as coisas acontecerem. Eu estou com muita esperança. Eu sei que ele vai se tornar um grande homem”, concluiu Jojo Todynho.

Jojo Todynho se explica

A declaração inicial da cantora gerou bafafá nas redes sociais. Isso porque ela foi acusada de querer tirar o menino de sua família na Angola. Para tanto, Jojo Todynho se pronunciou e fez um esclarecimento.

“Vocês estão perguntando se o Francisco não tem família. Gente, eu não sei, por isso que eu pedi para fazer um levantamento. Eu não sei a situação que ele vive, vamos perguntar para a família se eles aceitam eu adotar ele, para dar uma vida melhor, uma estrutura, algo que eu não sei como é a situação deles. Pelo que eu estive no colégio, não é uma situação fácil”, afirmou ela.

Porém, caso não consiga adotá-lo, ela já decidiu o que vai fazer. “Se a família disser que não, eu vou ajudar ele. Eu viro madrinha dele e abençoo ele daqui. Sempre que eu estiver em Angola, de certa forma, vou estar presente na vida dele, porque foi algo que eu não sei explicar”, disse.