A grande final do Miss Universo 2021

“Realizar o concurso lá foi arriscado, devido às questões diplomáticas, pois há muitos países que não se relacionam com , a exemplo da Indonésia, que não enviaram candidatas”, declara Manoela Staub, funcionária pública e administradora do perfil “The Perfect Brasil” junto com o gaúcho Thyerry Rossales.

“O concurso conseguiu lidar muito bem com isso. E tem aberto portas, você vê a cada ano a presença de países inéditos, estando ou não envolvidas com condições políticas nada favoráveis”, avalia o especialista de biotecnologia, João Ricardo Dias, moderador do Miss Brazil On Board, fórum online surgido em 2004, o primeiro em língua portuguesa no mundo.

As favoritas e o Brasil

“Essas mulheres que sobem no palco do Miss Universo transformam suas vidas, a de suas famílias e comunidades. Impactam a vida de milhares de fãs, e de fato geram transformação”, declara Julia Horta, que era uma das mais citadas para vencer o Miss Universo em 2019.

“Entre as candidatas fortes que estão se destacando nesta edição vemos a Bélgica, que subiu como espuma. Uma mulher com uma história de vida incrível”, avalia Hernández. A Miss Bélgica, Kedist Deltour, nasceu na Etiópia, sobreviveu a um ataque a bomba, morou na rua quando criança, perdeu a mãe e foi adotada com os irmãos por um casal belga.

Tarcísio Filho acredita que o concurso pode ir para esse lado mais familiar, considerando a multiculturalidade. Para ele, a vencedora precisa estar entre esses sete países: Bélgica, Porto Rico, Espanha, Índia, EUA, Colômbia e Paraguai. “Mas acho que apostar na paraguaia, que foi indicada [ou seja, não teve concurso], é um pouco arriscado”, confessa.

Quanto ao Brasil, João Ricardo acredita que o Miss Universo esteja procurando um perfil mais clássico, de gestos, atitudes, de cortes mais suaves, e, com isso, a brasileira pode ser favorecida. “Faz tempo que não temos uma Miss Universo loira”

Sem vencer o Miss Universo desde 1968, o Brasil viveu o quase “tricampeonato” apenas três vezes: nas edições de 1972, 2007 e 2020. Sigarini diz que faltou às organizações nesse período entender o que o Miss Universo queria. “A gente teve mulheres incrivelmente lindas representando o Brasil nos últimos anos e creio que a falta de preparação foi algo que pesou muito. Acredito sim na vitória do Brasil esse ano”, conclui.

Saiba Mais