Odair José Lobo carregava quatro pares de roupa na mochila e muita vontade de morar em uma metrópole, quando saiu da Aldeia Ipegue, no distrito de Taunay, em Aquidauana. Ainda jovem, foi parar em São Paulo após ver anúncio de emprego e agora, após 14 anos, retorna a Mato Grosso do Sul para realizar um sonho.

Chef sushi atendendo clientes em SP. Foto: Odair José/Arquivo Pessoal
Chef sushi atendendo clientes em SP. Foto: Odair José/Arquivo Pessoal

Dos 21 aos 35 anos, aprendeu e ainda exerce a profissão que o motiva diariamente: chef sushi. “Eu vi uma foto de emprego na aldeia e fui para lá. No início, trabalhei em feira livre, até que surgiu uma vaga de atendente e comecei em um restaurante japonês, na grande ABC Paulista. Nas horas vagas, ficava aprendendo a fazer a comida típica, então, a culinária envolvia o preparo do arroz, peixe e outras coisas”, relembrou Odair.

Mesa preparada por chef sushi. Foto: Odair José/Arquivo Pessoal
Mesa preparada por chef sushi. Foto: Odair José/Arquivo Pessoal

Com o passar do tempo, ele se tornou chef de cozinha e passou por alguns restaurantes. “Não é fácil um índio sair da aldeia sem saber como é o mundo lá fora, ainda mais em cidade grande. Eu, diariamente, pegava três conduções: ônibus, trem e metrô. Fiquei todo esse tempo por lá e agora voltei. Estou morando em Campo Grande e aqui quero realizar o meu sonho”, argumentou.

Odair com a família em aldeia de MS. Foto: Odair José/Arquivo Pessoal
Odair com a família em aldeia de MS. Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com Odair, neste mês de março foi inaugurado o serviço delivery de sushi dele.

“Em breve, pretendo montar o meu próprio restaurante e a minha ideia é trabalhar com a culinária fusion, a mistura da indígena com a japonesa. Este é o meu objetivo, de recriar pratos diferentes do que as pessoas comem por aí. Por enquanto, estou fazendo alguns testes”, explicou.

Muito diferente do que comia com os indígenas, da etnia terena, Odair fala que aprendeu a fazer e a comer sashimi, sushi, ceviche, yakisoba, entre outros alimentos.

Além dele, a esposa também curte a culinária japonesa e o apoia em todas as decisões.

“Gosto muito de criar molhos e decorar pratos. Cada detalhe é válido em um prato bem elaborado”, finalizou.

Leia também:

Olhar empreendedor: conheça quem iniciou negócio nos bairros de Campo Grande e vai te inspirar

Pioneiro no sushi, ‘China’ celebra 27 anos de profissão, mas lamenta ‘preferência’ de campo-grandenses