Se tem uma criança que gosta mais de dinossauro a psicóloga Juliana Vieira Condeli Silva, de 39 anos, desconhece. Mãe do Renzo, de 5 anos, diz que ele é apaixonado pelo animal e inclusive pede para assistir vídeos e documentários, além de brincar muito em casa e já incentivar o irmão de um ano a estar sempre na companhia dos “dinos”. Com o Natal chegando, mais uma vez, ele foi surpreendido com uma árvore temática e diz que todo ano vai ser assim em casa, em Campo Grande.

(Mariana Da Cruz/Arquivo Pessoal)

“Meu filho sempre gostou de dinossauro e, desde muito pequeno, já gostava de ver vídeo, documentários. Todos os brinquedos dele são de ‘dino’. Ele gosta do boneco, gosta muito de dinossauros em qualquer formato”, argumentou Juliana.

Ao ver o interesse do garoto pela espécie, a avó decidiu fazer uma surpresa e chamou a “tia Mariana“, que é especialista em montar árvores temáticas.

“Foi uma surpresa e ele ficou enlouquecido. E aí a minha mãe resolveu fazer uma surpresa para ele, montando a árvore de Natal de dinossauro. Ela chamou a tia Mariana, que monta as árvores temáticas, e fizemos. Ele ficou enlouquecido e falou que, para sempre, a árvore vai ter que ser de dinossauro”, relembrou a psicóloga.

Bem na entrada do imóvel, a árvore chama a atenção de quem mora na casa e também quem faz visitas. “As pessoas falam que é a cara do meu filho a árvore, que ficou muito legal”, finalizou.

Veja os detalhes da árvore:

https://youtu.be/7r4IV2KhW24?si=0cl1PUqRmsMzlxmA

E você, também está fazendo uma árvore temática na sua casa? Conte pra gente!

Fale com o WhatsApp do MidiaMAIS!

Tem algo legal para compartilhar com a gente? Fale direto com os jornalistas do MidiaMAIS através do WhatsApp.

Mergulhe no universo do entretenimento e da cultura participando do nosso grupo no Facebook: um lugar aberto ao bate-papo, troca de informação, sugestões, enquetes e muito mais. Você também pode acompanhar nossas atualizações no Instagram e no Tiktok.

*Material editado para correção de informações

Leia também:

Conheça o Papai Noel ‘sem Natal’ que se doa há 32 anos para manter magia em Campo Grande