Da ao adulto, é doloroso imaginar o Dia dos Pais sem a presença do pai. É propaganda na televisão, enxurrada de fotos e vídeos nas redes sociais e festividades em todo canto. E tudo tem que ser muito comemorado sim. Mas, e quando a criança não tem o pai? Quando, mesmo adulto, a pandemia assolou vidas e a pessoa precisa lidar com o sentimento de perda de alguém tão amado? É por isso que ressignificar a data nunca valeu tanto, até mesmo no ambiente escolar.

Cada vez mais, as escolas estão preparando eventos que envolvem não somente o pai, mas toda a família. É aquele avô que busca a criança na e faz as vezes de pai, já que este último é ausente. É um tio querido que está sempre por perto e acaba se tornando referência masculina para a criança e tantos outros que ajudam na formação do caráter e também tornam este dia especial.

Colégios promovem gincana para família no Dia dos Pais

Em Campo Grande, algumas escolas estão fazendo uma programação diferente e que envolve toda a família. A escola Auxiliadora, localizada na região central da cidade, está organizando uma gincana para o próximo sábado (13). Os responsáveis estão recebendo um formulário para informar quantas pessoas da família vão participar.

Conforme a diretoria, a gincana será das 8h às 11h e a intenção é montar times, de diversas cores e com nomes, como ‘Time Esperança', ‘Time Amor', por exemplo, pensando em uma manhã lúdica e em família.

Na Escola Nova Geração, na Vila Taveirópolis, no mesmo dia e horário, também está marcada uma gincana para os pais ou os responsáveis pela criança, com brincadeiras, jogos e oficinas.

Já na escola Elite Mace, no Centro, a programação festiva também será no próximo sábado (13). De nome “Eu, você e as coisas que fazemos juntos”, o convite da escola chama os alunos para “um momento festivo com aquele que representa a figura paterna”.

Escola não faz evento de Dia dos Pais e nem Dia das Mães há 16 anos

Na Escola Municipal Oliva Enciso, no bairro Tiradentes, a professora e psicopedagoga Carmen Lúcia Dias de Andrade, de 60 anos, ressalta que há 16 anos não são organizadas comemorações nesta data e nem no .

“Não fazemos porque existem muitas crianças com questões familiares: mora só com a mãe, tem o avô que chama de pai, tem pai preso, pai que nunca conheceu, então, por conta de todas estas questões, não fazemos nada. Nossa programação maior é em novembro, com uma grande mostra cultural e literária para toda a comunidade escolar. Convidamos alunos da dança, da música, do teatro e do violão, além de mostrar os trabalhos feitos durante todo o ano”, argumentou.

Leia também: