CBF projeta novo protocolo para covid-19 e atletas terão passaporte da vacina

O objetivo é proporcionar, de forma planejada e segura, a oportunidade para que o futebol auxilie os demais segmentos da sociedade a ter controle da situação epidemiológica atual e também manter as atividades que já foram muito prejudicadas em 2020 e 2021
| 07/01/2022
- 20:35
Projeto prevê apresentação de comprovante de vacinação para entrada em eventos públicos e privados.
Passaporte de vacinação - Divulgação

Devido a ameaça da variante Ômicron, junto ao aumento de casos de covid-19 no Brasil, a Confederação Brasileira de (CBF), em conjunto com a startup franco-brasileira Mooh Tech, projeta um novo protocolo sanitário, que será divulgado nas próximas semanas, para assegurar o retorno de maneira segura a todos os jogadores e jogadoras profissionais de futebol e comissões técnicas em 2022.

Todos os profissionais que estiverem vacinados receberão gratuitamente o aplicativo de celular Chronus i-Passport, um passaporte de vacinação que será utilizado para acompanhamento da vacinação, testagem e mapeamento da pandemia no futebol.

O objetivo é proporcionar, de forma planejada e segura, a oportunidade para que o futebol auxilie os demais segmentos da sociedade a ter controle da situação epidemiológica atual e também manter as atividades que já foram muito prejudicadas em 2020 e 2021. Ao utilizar o aplicativo como uma credencial no controle dos profissionais para acesso às partidas de futebol, a CBF tentará se antecipar no cuidado com os atletas e todos os envolvidos no futebol.

De acordo com a empresa, o aplicativo é uma solução de registro e identificação de saúde. Seu uso contínuo permite que apenas as pessoas com status de vacinação contra a covid-19 circulem sem restrições.

A adoção do sistema deve diminuir consideravelmente e, até mesmo, eliminar, muitos dos protocolos hoje necessários para a retomada de atividades. Ao utilizar o aplicativo como uma credencial no controle de acesso a locais públicos ou privados, várias medidas, complexas para serem atendidas, deixam de ser essenciais.

Últimas notícias