Rua no centro será encurtada para Campo Grande ganhar novo ‘calçadão’ e ideia agrada

O projeto que prevê mudanças ao redor do Mercado Municipal Antônio Valente, ainda aguarda aprovação da Câmara Municipal de Campo Grande para ser realizada pelo Executivo, mas antes mesmo de sair do papel agradou grande parte dos 96 permissionários do local. A proposta pretende fechar o trecho da Rua 7 de Setembro entre a Travessa […]
| 04/08/2014
- 23:38
Rua no centro será encurtada para Campo Grande ganhar novo ‘calçadão’ e ideia agrada

O projeto que prevê mudanças ao redor do Mercado Municipal Antônio Valente, ainda aguarda aprovação da Câmara Municipal de Campo Grande para ser realizada pelo Executivo, mas antes mesmo de sair do papel agradou grande parte dos 96 permissionários do local.

A proposta pretende fechar o trecho da Rua 7 de Setembro entre a Travessa José Bacha e Via Morena, além de construir um ‘calçadão’ entre a Praça Oshiro Takemori, conhecida como Praça dos Índios, para interligá-la com a calçada do Mercadão.

O permissionário César Resende é proprietário de uma relojoaria no Mercadão há 25 anos e aprovou o projeto. “Vai trazer benefícios, pois integrará a Praça, que hoje é separada do Mercadão. O lugar é tradicional e atrai turistas e será bom para os dois lados”, pontuou. Cesar destaca também que as mudanças no trânsito farão diferença, pois vai acabar com o congestionamento na Rua 15 de Novembro.

“Chega a tarde é terrível, precisa-se arrumar uma alternativa para acabar com o congestionamento”, observou. No Mercado Municipal desde 1972, Sérgio Costa Oliveira também aprova as mudanças no tráfego de veículos da região “O trânsito está caótico, isso deve ser mudado urgentemente”, diz.

Marcos Bola trabalha como Motofrete perto do Mercadão e avalia que o projeto de revitalização deve ocorrer e lembra que o local é um dos pontos turísticos de Campo Grande.

“O Mercadão melhorará muito com o calçadão, pois é um ponto turístico. Acredito que o projeto será viável”, analisa.

Um ponto levantado pelo permissionário, Márcio Reis, proprietário de uma loja de artigos de couros, é a concentração de grande número de moradores de rua na região. Márcio diz que alguns turistas entendem que o local seja perigoso por causa deles.

“As mudanças serão aproveitadas por todos, mas é importante também retirar os mendigos e levá-los para um lugar melhor para eles. Certa vez um turista me perguntou que lugar no fim da tarde era menos perigoso por aqui”, conta.

Em reunião com o poder Executivo sobre as mudanças a serem realizadas, o presidente da Associmec (Associação dos Comerciantes do Mercado Municipal de Campo Grabde), Cleuber Linares, declarou que o local ficou saturado.

“Estamos no limite, somos os mais interessados em que esse projeto saia do papel. Uma de nossas principais preocupações, que era a rede elétrica foi resolvida. Agora, vamos lutar para concretizar as outras melhorias”, pontuou.

Conhecido como um dos principais centros de compra da Capital, Mercado Municipal Antônio Valente abriga 144 bancas e 79 boxes. Inaugurado em agosto de 1958, o Mercadão tornou-se referência na comercialização de produtos hortifrutigranjeiros, peixes e especiarias.

Últimas notícias